Novo enterro de Jango terá honras de Estado

Restos mortais do ex-presidente João Goulart serão levadosnesta sexta, em avião da FAB, de volta para São Borja; prefeito decretou feriado na cidade

Elder Ogliari, O Estado de S. Paulo

05 Dezembro 2013 | 20h01

Porto Alegre - Os restos mortais corpo do ex-presidente João Goulart serão enterrados nesta sexta, 7, em São Borja, a 630 quilômetros de Porto Alegre, na fronteira do Brasil com a Argentina. Será o segundo sepultamento de Jango, desta vez com as honras de chefe de Estado que não teve na primeira, A cerimônia será acompanhada pela viúva Maria Thereza, os filhos João Vicente e Denize e netos do ex-presidente, que morreu há exatos 37 anos, em 6 de dezembro de 1976. O prefeito Farelo Almeida decretou feriado em São Borja, cidade de 62 mil habitantes.

A família Goulart quer que os simpatizantes do ex-presidente possam homenageá-lo com tranquilidade e desvincula o segundo enterro de um ato político. "A preocupação é que as despedidas não se tornem um palanque", afirmou João Vicente em entrevista à Rádio Estadão. (veja matéria abaixo).

Multidão. No primeiro enterro, em 1976, os militares permitiram que o corpo de Jango entrasse no Brasil por Uruguaiana e fosse levado em alta velocidade, por 200 quilômetros, até São Borja, onde o caixão deveria seguir rapidamente para o cemitério Jardim da Paz. O veículo teve de reduzir a velocidade e acabou parando em meio à multidão postada diante da Igreja Matriz São Francisco de Borja.

Depois de velar o corpo no templo, os admiradores do ex-presidente levaram o caixão até o cemitério a pé, quando a ordem era que seguisse em carro fúnebre.

Goulart foi deposto em 1964 pelo regime militar que se instalava no País e partiu para o exílio. Morreu em 1976 em sua fazenda em Mercedes, na Argentina. Como não houve autópsia, a tese de um assassinato sempre foi ventilada junto com a versão oficial de enfarte. Neste ano, a pedido da família, a Comissão Nacional da Verdade decidiu exumar os restos mortais para tentar esclarecer a causa.

Os restos mortais serão levados na sexta de Brasília para São Borja em voo da Força Aérea. A ministra da Secretaria dos Direitos Humanos, Maria do Rosário, vai acompanhar o traslado do corpo. Devem chegar por volta das 11h. Depois o caixão será levado em cortejo ao cemitério. O segundo sepultamento está marcado para às 16 horas.

A cidade abriga os restos mortais de quatro personagens históricos do trabalhismo brasileiro. No mesmo jazigo da família Goulart repousa o ex-governador Leonel Brizola. Em um túmulo ao lado está Gregório Fortunato, que foi chefe da guarda pessoal do ex-presidente Getúlio Vargas - cujos restos mortais foram depositados em um memorial perto dali, na Praça 15 de Novembro. / COLABOROU TÂNIA MONTEIRO

Mais conteúdo sobre:
João Goulart Exumação

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.