Novo encontro de líderes discute permanência de Feliciano em comissão

Parlamentares devem pedir mais uma vez que deputado renuncie à presidência da Comissão de Direitos Humanos; apesar de protestos, pastor diz que ficará no cargo

O Estado de S.Paulo

09 Abril 2013 | 10h36

O deputado Marco Feliciano (PSC-SP) ouvirá novamente de líderes partidários para renunciar à presidência da Comissão de Direitos Humanos da Câmara. O encontro está previsto para a tarde desta terça-feira, 9.

 

Aos líderes, Feliciano vai manter posicionamento de continuar no cargo e defender a tese segundo a qual a comissão pode trabalhar normalmente. A permanência do deputado é questionada por ativistas dos direitos humanos em razão de declarações consideradas homofóbicas e racistas.

 

Em razão dos protestos durante as últimas sessões da comissão, Feliciano anunciou na semana passada que as reuniões passariam a ser conduzidas a portas fechadas. Nesta terça, o deputado espera obter apoio público de pastores que participam de evento da Assembleia de Deus, em Brasília.

 

Nessa segunda-feira, 8, duas ministras manifestaram críticas a Feliciano e colocaram o Planalto no debate. A titular dos Direitos Humanos, Maria do Rosário, afirmou que as declarações do deptuado incitam "ódio". Já a ministra da Igualdade Racial, Luiza Bairros, assintou moção de repúdio contra a indicação do parlamentar para a comissão.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.