Novo chefe da Casa Civil toma posse com desafio de pavimentar reeleição de Alckmin

Pasta terá como principal atribuição articular com partidos aliados a formação de alianças eleitorais

Bruno Boghossian, O Estado de S. Paulo

18 de dezembro de 2012 | 15h47

SÃO PAULO - O novo secretário-chefe da Casa Civil de São Paulo, Edson Aparecido, tomou posse na manhã desta terça-feira, 18, com o desafio de pavimentar a provável campanha pela reeleição do governador Geraldo Alckmin (PSDB). A pasta terá como principal atribuição nos próximos dois anos as articulações com partidos aliados, a formação de alianças eleitorais e a relação com a Assembleia Legislativa.

"Vamos auxiliar o governador na articulação com os demais poderes e demais partido, e também fazer com que aquilo que os resultados que o governo atingiu sejam perceptíveis para a população", declarou o novo secretário.

À mesa de autoridades, Aparecido e Alckmin dividiram espaço com políticos que foram aliados do governo paulista, mas têm se aproximado do PT - que desafiará a reeleição do tucano. Ao lado de Alckmin estava o vice-governador Guilherme Afif Domingos, de quem o governo tenta se reaproximar após um atrito provocado pela fundação de seu novo partido, o PSD. À direita do novo chefe da Casa Civil estava o deputado Paulo Maluf (PP), cujo partido se aliou aos petistas na eleição municipal de São Paulo este ano.

Edson Aparecido foi empossado no lugar de Sidney Beraldo, que deixa a Casa Civil para assumir uma vaga de conselheiro no Tribunal de Contas do Estado (TCE). O novo secretário indicou que pretende dar continuidade à política de articulações de seu antecessor.

"É uma corrida de revezamento. Temos o desafio de continuar o trabalho político desenvolvido nos últimos anos", disse Aparecido.

Participaram da posse secretários do governo Alckmin e outras autoridades, como o ex-governador José Serra, o deputado estadual Barros Munhoz (presidente da Assembleia Legislativa), o desembargador Ivan Sartori (presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo) e o procurador Márcio Elias Rosa (procurador-geral de Justiçade São Paulo).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.