Reprodução
Reprodução

Novo boletim médico confirma cirurgia de Bolsonaro na segunda-feira

Após série de exames neste domingo, presidente está apto a passar por procedimento para retirada da bolsa de colostomia

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de janeiro de 2019 | 17h17

A cirurgia para retirada da bolsa de colostomia do presidente Jair Bolsonaro foi confirmada neste domingo, 27, em novo boletim médico divulgado pelo Hospital Albert Einstein, em São Paulo. 

O procedimento será realizado na segunda-feira de manhã, 28, conforme o documento divulgado por volta das 17h deste domingo. No texto, a equipe dos três profissionais responsáveis por Bolsonaro, composta pelo cirurgião Dr. Antônio Luiz Macedo, o clínico e cardiologista Dr. Leandro Echenique e o diretor e superintendente do Hospital Israelita Albert Einstein, Dr. Miguel Cendoroglo, afirma que Jair Bolsonaro "foi submetido à avaliação clínica pré-operatória, exames laboratoriais e de imagem, com resultados normais. A cirurgia de reconstrução do trânsito intestinal está confirmada para amanhã (28/01)". 

Bolsonaro chegou ao hospital às 10h30 deste domingo para passar pela bateria de exames pré-operatórios necessários para a retirada da bolsa de colostomia, usada por ele desde o atentado à faca sofrido durante a campanha eleitoral em setembro do ano passado. Esse será o terceiro procedimento cirúrgico pelo qual o presidente passará desde a agressão. 

O porta-voz do governo federal, o general Otávio Santana do Rêgo Barros, disse neste domingo em entrevista coletiva a jornalistas no hospital Albert Einstein que o presidente Jair Bolsonaro está tranquilo para ser submetido à cirurgia que ocorrerá na segunda-feira pela manhã, em horário a ser definido. "Ele está tranquilo, à espera do jogo do Palmeiras", brincou.

A previsão é de que a cirurgia dure cerca de quatro horas e de que o presidente permaneça em torno de 10 dias na capital paulista em recuperação. O hospital montou uma ala especial para que o presidente possa fazer os despachos. 

Além do porta-voz, acompanham Bolsonaro a primeira-dama Michelle, o filho Eduardo, deputado federal (PSL-SP), assessores e seguranças.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.