Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Novo anuncia Vinicius Poit para governo de SP

Integrante de grupos de renovação política, deputado federal passou por seleção interna; lançamento não exclui futura composição

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

23 de novembro de 2021 | 05h00
Atualizado 23 de novembro de 2021 | 17h11

Depois de enfrentar crises internas entre a bancada parlamentar e o seu fundador, João Amoêdo, o partido Novo vai lançar, no próximo sábado, o deputado federal Vinicius Poit, de 35 anos, como pré-candidato ao governo de São Paulo. O palanque será montado em Ribeirão Preto, no interior do Estado, e terá a presença do governador de Minas Gerais, Romeu Zema

Integrante do grupo de renovação política RenovaBR e do Raps, que atua na área de sustentabilidade, Poit foi escolhido após passar pelo processo seletivo do partido que ficou desgastado no ano passado após a escolha de Filipe Sabará como candidato do Novo para a prefeitura da capital paulista. Acusado de ter mentido no currículo, Sabará rompeu com a legenda e teve a candidatura suspensa. 

“O modelo de trazer gente de fora não funcionou bem lá atrás. O processo agora foi feito para valer”, disse Poit. O deputado afirmou que seu processo teve três fases. A primeira foi uma análise de currículo e entrevista. Em seguida, segundo ele, houve um “background check”. “O famoso puxar a capivara”, brincou. Na terceira fase foi feita uma “auditoria ética e de valores” na qual uma empresa especializada avaliou também como será a campanha e o plano de governo. 

Quando questionado sobre o cenário na disputa em São Paulo, Poit relativiza a força da esquerda no Estado e critica o ex-governador Geraldo Alckmin, que está de saída do PSDB. “As pesquisas indicam que o Alckmin lidera as intenções de voto (para o governo de SP). A nossa atuação será muito de mostrar a renovação. Votar nele é fazer a mesma coisa que se faz há 30 anos. É um Estado inchado, que perdeu protagonismo e precisa de um enxugamento da máquina”. 

O pré-candidato mencionou a troca de elogios entre o ex-governador e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “A gente vê um possível alinhamento dele (Alckmin) com o Márcio França novamente, e mais preocupante, uma possível ida dele para ser vice do Lula. Alckmin não desmentiu. Vamos ter um governador de São Paulo alinhado com o Lula? Não é o que as pessoas de São Paulo querem”, afirmou. 

O deputado, que promete entrar na disputa sem usar dinheiro público e não descarta abrir mão de sua candidatura para apoiar um nome mais bem colocado do seu campo em 2022, também faz críticas ao governador João Doria, mas ponderou que ele “marcou um golaço com a vacina”. 

No plano nacional, o pré-candidato do Novo rechaça as críticas de João Amoêdo de que faltou unidade da bancada na oposição ao governo Jair Bolsonaro, de quem é crítico. Ele chama de “catastrófica” a gestão presidencial. E garante que, se a polarização com Lula persistir até o segundo turno, vai votar nulo. 

Sobre a acusação de ter mentido no currículo, Sabará afirma que conseguiu comprovar em todas as instâncias da justiça que o seu currículo não tinha qualquer inconsistência de dados. “Consegui comprovar no TRE e na instância superior, no TSE, que as informações sobre minha capacitação eram verdadeiras. Ficou claro que o que ocorreu foi perseguição política do partido”. 

Em meio ao apagão do aplicativo nas prévias no domingo, o PSDB homologou em Brasília a pré-candidatura do vice-governador Rodrigo Garcia ao governo paulista em 2022. Depois de deixar o DEM e migrar para o PSDB, Garcia se apresentou para disputar prévias estaduais com intuito de pressionar o ex-governador Alckmin a tomar uma decisão – ou deixar o partido ou aceitar disputar o Senado. Como não houve outro inscrito, ele acabou sendo o escolhido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.