Novas regras para seguros de automóveis

A partir de sexta-feira, os segurados não serão mais obrigados a pagar franquia no caso de perda total do veículo. Essa e outras mudanças para os contratos de seguros de automóveis estão previstas em nova circular da Superintendência de Seguros Privados (Susep). Pelas novas regras fica proibida a cobrança no caso de perda total do veículo e de danos causados por incêndio, queda de raio ou explosão. Também foram alteradas as condições contratuais. A empresa seguradora será obrigada a descrever no contrato um valor determinado a ser pago, combinado entre as partes. Além desse valor fixo, a empresa poderá oferecer o pagamento de um valor de mercado, com base em uma tabela de cotação de veículos. Essa tabela não poderá ser elaborada pelas sociedades de seguradorass ou corretoras de seguros e deverá ser divulgada em revistas especializadas ou jornais de grande circulação que não tenham vínculos com empresas de seguros. Perda total - No caso de perda total de carros zero-quilômetro, em que a cobertura será pelo valor de mercado, o prazo para que a seguradora pague o valor do carro "novo" será de 90 dias. Atualmente, se o automóvel sofre perda total passados 30 dias, o ressarcimento seria o estipulado pela tabela de referência. Esse prazo agora é de 90 dias para que o assegurado receba "valor de carro novo". Para o pagamento de sinistro também vale prazo de 30 dias. Se nesse período forem pedidos documentos pela seguradora, a contagem pára. Após a entrega do que foi solicitado, a contagem continua. As seguradoras costumavam cancelar a contagem e recomeçavam os 30 dias, a partir da última entrega de documentação. Perfil - Quando o segurado tiver de responder a um questionário sobre seu desempenho e comportamento como motorista as respostas deverão estar registradas na apólice. As seguradoras não poderão se recusar a pagar a indenização com base em respostas subjetivas, como por exemplo, "quem usa mais o carro?". Além disso, as empresas deverão esclarecer os clientes no preenchimento do questionário, bem como informar quando uma resposta pode implicar redução ou perda da indenização.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.