Novas propostas melhoram bases para escolha de caças da FAB

Dassault reduziu preços, Boeing especificou pacote de tecnologia e Saab garantiu conhecimento avançado

Roberto Godoy, de O Estado de S.Paulo,

02 Outubro 2009 | 18h43

Foram entregues na tarde desta sexta-feira, 2, em Brasília, na sede do Comando da Aeronáutica, as propostas, melhoradas e expandidas, das três empresas internacionais que concorrem a um contrato estimado em US$ 7,7 bilhões para fornecimento de 36 caças avançados de múltiplo emprego e destinados à renovação da frota da Força Aérea Brasileira (FAB).

 

Participam a Boeing, americana, com o F-18 E/F Super Hornet, a Dassault Aviation, francesa, por meio do caça Rafale-3, e a Saab, sueca, que submeteu ao programa o jato de combate Gripen NG.

 

O conteúdo das propostas melhoradas não foi revelado porém, fontes ligadas ao Ministério da Defesa destacaram que as expectativas do governo em relação às ofertas foram atendidas. Os franceses reduziram os preços de aquisição da aeronave e da hora de voo. Continuam oferecendo transferência ilimitada de tecnologia.

 

Os americanos especificaram itens de transferência de tecnologia em áreas sensíveis como a e engenharia de furtividade, stealth, que dificulta a detecção por radar. Os suecos garantem, com apoio do governo, transferência completa do pacote de conhecimento avançado e parceria no desenvolvimento do avião, ainda em fase de ajuste das especificações.

 

Além disso, a sueca Saab, depois de ver a concorrente francesa dizer que compraria uma dezena de aviões de transporte de carga KC-390, a ser fabricado pela Embraer, informou que está estudando a possibilidade de adquirir não só este tipo de aeronave, mas também os aviões de treinamento SuperTucano, também brasileiros.

 

A partir do recebimento da documentação, a equipe de especialistas da Aeronáutica, composta por 60 especialistas em diversas áreas, procederá à elaboração do relatório final de análise técnica das aeronaves concorrentes. O relatório final deve ser apresentado ao Alto Comando da Aeronáutica que vai avaliar as informações e encaminhá-las para o Ministro da Defesa, Nelson Jobim.

 

De acordo com nota oficial do Comando, "a análise continua pautada pela valorização dos aspectos comerciais, técnicos, operacionais, logísticos, industriais, de compensação comercial e de transferência de tecnologia."

 

Veja também:

link Suécia anuncia ampliação da oferta de tecnologia ao Brasil

 

 

Colaborou Tânia Monteiro, da Agência Estado

Mais conteúdo sobre:
caças FX-2 Dassault Boeing saab

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.