Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Novas formas de produção jornalística acompanham jornada do leitor, afirmam especialistas

Seminário internacional em São Paulo discute rumos do jornalismo profissional e reúne executivos de mídia, professores e estudantes

Adriana Ferraz e Francine De Lorenzo, O Estado de S.Paulo

01 de outubro de 2019 | 17h26

As novas formas de produção jornalística permitidas pelo avanço da tecnologia foram foco de um seminário internacional promovido pela ESPM nesta terça-feira, 1º, em São Paulo. O evento reuniu executivos da mídia, professores e estudantes para debater, entre outros pontos, as mudanças de rotina promovidas pelas redações para acompanhar o fluxo de consumo do leitor, que hoje se informa ao longo de todo o dia, e aprimorar a interação com esse público, por meio de medições de audiência e criação de novos produtos.

Diante das dificuldades de financiamento enfrentadas hoje por toda a mídia, a professora de jornalismo da ESPM Claudia Bredarioli destacou a necessidade de se ampliar a gama de produtos, acabando com o que classificou como o “monopólio da palavra”. Para a professora, investir em podcasts, canais do YouTube e serviços por assinatura são parte dessa solução, sempre acompanhada de técnicas que assegurem a credibilidade da notícia, seja ela repassada por texto, vídeo ou áudio.

A necessidade de oferecer sempre novos produtos ao leitor, telespectador ou ouvinte também foi citada pelo diretor-presidente do Grupo Estado, Francisco Mesquita Neto, que vê nas mídias digitais uma oportunidade para o jornal ampliar sua audiência, atingindo milhões de leitores pela internet, mas sem abrir mão de sua defesa centenária pela democracia e livre iniciativa. 

“O maior desafio é criarmos essa cultura nas pessoas, sempre mantendo o foco no jornalismo profissional, o que é fundamental nesse mundo de fake news, e na conversão de assinaturas”, disse. “Hoje trabalhamos de acordo com a jornada do nosso cliente, que não mais consome notícia apenas no café da manhã lendo o jornal impresso, mas ao longo de todo o dia.”

Segundo Mesquita Neto, as empresas de mídia mal sabiam como seus produtos eram consumidos antes. Hoje, com a tecnologia, o cenário mudou e seguirá assim. “Vamos continuar tendo de incorporar essas novas tecnologias no nosso dia a dia, proporcionando alterações no nosso processo de trabalho, no fluxo da produção. Hoje a redação produz digital e também faz impresso”, exemplificou.

Nesse novo cenário, sempre em mutação, a conversão de assinaturas é considerada hoje a forma de financiamento do jornalismo de qualidade. Alcançar esse leitor, que paga por conteúdo profissional, porém, segue como desafio. O professor e diretor das Iniciativas Latino-Americanas da Columbia Journalism School, Ernest R. Sotomayor, foi categórico ao afirmar que ninguém sabe qual será o futuro da profissão porque milhões de pessoas simplesmente não querem pagar por jornalismo, por conteúdo de qualidade. “Não quero ser pessimista, mas vamos enfrentar um período grande de dificuldades no jornalismo até conseguirmos encontrar um caminho”, disse.

Apesar de dizer que não tem ‘bola de cristal’ para apontar hoje esse caminho, o diretor da unidade latino-americana da Columbia destacou que o equilíbrio entre a necessidade de se aumentar os investimentos e encontrar receita pra isso é um grande desafio.”O jornalismo precisa de mais dinheiro. Porque é preciso fazer um novo produto a cada dia e isso custa dinheiro.”

Presidente do Grupo Bandeirantes, João Carlos Saad comentou sobre a entrada de serviços pagos no mercado brasileiro, como Spotify e Netflix, e seu impacto no mercado brasileiro, assim como as fake news no ramo televisivo e reforçou que o conteúdo checado, assinado, com os dois lados, é sempre o único caminho para reforçar a atividade profissional.

Também palestrante, o cofundador do site JOTA, Felipe Recondo, falou sobre a retomada do jornalismo segmentado e sobre o investimento feito pela empresa especializada em notícias jurídicas para checar, na plataforma pública, o tempo de permanência do leitor em determinado texto e também para manter uma interatividade com o público.

“As pessoas que entram no site têm que pagar, então temos de ser úteis a essas pessoas. Nesse esforço, a prática é a de oferecer a notícia (especialmente a jurídica) da forma didática”, ressaltou.

Todos os palestrantes foram unânimes em afirmar que, apesar da inovação da gama de produtos e dos investimentos em novas tecnologias para manter o jornalismo profissional, a atividade hoje vive um clima hostil, muitas vezes incentivado pela classe política. 

Para Sotomayor, os jornalistas precisam ser preparados não para ‘declarar guerra’, mas para lidar com o cenário atual. “Existe um ambiente político tóxico no qual a cada dia se escuta um político atacar a imprensa”, disse. “Mas acredito que o jornalismo seja maior do que (Donald) Trump ou (Jair) Bolsonaro.”

Jornalismo de dados

Palestrante no painel “Jornalismo de dados: o que há por trás das grandes reportagens”, o editor do Estadão Dados e presidente da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), Daniel Bramatti ressaltou a importância do jornalismo de dados diante do cenário em que governos desacreditam o trabalho do jornalismo profissional. “É um momento muito grave em que o governo contesta seus próprios dados”. /COLABOROU VINICIUS PASSARELL

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.