Nova regra estanca hemorragia na oposição

Se a maioria dos políticos condenou a decisão do Poder Judiciário de regular a questão da fidelidade partidária, para os partidos de oposição a regra serviu para estancar uma espécie de hemorragia. Atrás de espaço político, parlamentares de oposição, especialmente do DEM, decidiram se desfiliar buscando reconduzir suas carreiras políticas em partidos alinhados ao governo federal.Com a adoção da regra da fidelidade, vários parlamentares recuaram dessa movimentação e permaneceram na oposição para não perder o mandato. "Somente essa norma foi capaz de impedir que mais parlamentares deixassem o partido", reconheceu o presidente nacional do DEM, deputado Rodrigo Maia (RJ).O drible na punição à infidelidade partidária deverá ser institucionalizado dentro do Congresso com a aprovação da proposta de reforma partidária que prevê a criação de um período de 30 dias para que os parlamentares possam mudar de legenda.A aprovação dessa proposta é vista como um desastre pelo comando nacional do DEM, que atribui à regra da fidelidade partidária o fato de ter conseguido estancar o ataque dos partidos governistas a seus quadros. O DEM avalia que a mesma salvaguarda deveria ser mantida até como forma de fortalecimento dos partidos, independentemente de quem esteja ocupando o governo federal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.