Nova prisão de Dantas tem motivo diferente, diz Genro

O ministro da Justiça, Tarso Genro, disse que a nova prisão do sócio-fundador do Banco Opportunity, Daniel Dantas, hoje à tarde, não representa confronto entre a 6ª Vara Criminal Federal de São Paulo, que expediu a ordem, e o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, que ontem à noite concedera habeas-corpus a Dantas e a dez outros presos na Operação Satiagraha. "Não é um desrespeito à decisão do ministro Gilmar Mendes porque houve um novo motivo para a decretação da prisão", disse Genro, sem mencionar a acusação de corrupção ativa, por suposta tentativa de suborno do banqueiro a um delegado da PF, conforme alegou o Ministério Público Federal (MPF) paulista.Segundo Genro, a decretação da prisão preventiva em vez da temporária, como ocorrera na terça-feira passada, tem, entre vários motivos, a possibilidade do indiciado interferir na condução do inquérito e de fugir do País. "O juiz alinhou motivos bastante fortes", completou. Genro disse não ter se surpreendido com a nova prisão do banqueiro. "O que nos interessa é que a lei seja cumprida e que se tenha o mais profundo e radical esclarecimento de um crime contra o sistema financeiro brasileiro, cometido por um conjunto de pessoas que provavelmente se considera intocável", afirmou.A Operação Satiagraha foi deflagrada na terça-feira para desbaratar um suposto esquema de desvio de verbas públicas, corrupção e lavagem de dinheiro. A PF iniciou as investigações há quatro anos, como desdobramento do caso do mensalão. Também foram presos na Satiagraha o ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta e o megainvestidor Naji Nahas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.