'Nova moeda de troca é a mentira', diz advogado de Palocci

José Roberto Batochio afimou que o ex-ministro nunca participou de tentativa de extorsão; 'como seria possível alguém pagar R$ 220 milhões em dinheiro sem deixar rastro?', questiona

Gilberto Amendola, O Estado de S.Paulo

15 de março de 2016 | 17h08

O advogado do ex-ministro Antonio Palocci, José Roberto Batochio, disse nesta terça-feira, 15, que "a nova moeda de troca no Brasil é a mentira". Batochio afirmou que o seu cliente nunca participou de nenhuma tentativa de extorsão. "Delcídio diz que o silêncio de Marcos Valério seria comprado por R$ 220 milhões. Como seria possível alguém pagar R$ 220 milhões em dinheiro sem deixar rastro? Para transportar essa quantia, ele precisaria de uns 20 caminhões. Não faz sentido. Nem mentir direito esse pessoal consegue."

Na delação, Delcídio sustentou que, para comprar o silêncio do empresário Marcos Valério sobre as investigações do mensalão, foi prometido o pagamento de uma quantia de R$ 220 milhões. Valério foi condenado no julgamento do mensalão no STF, em 2012, e considerado o operador do esquema. Segundo Delcídio, a promessa foi feita a Valério por Paulo Okamoto, atual presidente do Instituto Lula.

Em 14 de fevereiro de 2006, segundo o ex-líder do governo no Senado, ocorreu uma reunião em Brasília para tratar do pagamento do valor. Delcídio contou ainda que recebeu no dias seguintes ligações do então ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, e do então ministro da Fazenda, Antonio Palocci. Ambos falaram sobre a reunião que o senador havia tido com Lula.

Segundo a delação de Delcídio, Palocci afirmou, na ligação, que “o Lula estava injuriado com ele em razão do teor da conversa”. Além disso, Palocci disse que “estaria, a partir daquele momento, assumindo a responsabilidade pelo pagamento da dívida”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.