MARCELO CHELLO / ESTADAO
MARCELO CHELLO / ESTADAO

Nova metástase no fígado não muda prognóstico da doença, diz oncologista de Covas

Segundo membro da equipe médica que trata o prefeito, a doença "ganhou terreno apesar das sessões de imunoterapia"

Fabiana Cambricoli, O Estado de S.Paulo

18 de fevereiro de 2021 | 13h28

A descoberta de um novo tumor no fígado do prefeito Bruno Covas, anunciada nesta quarta-feira, 17, não muda o prognóstico da doença, afirmou ao Estadão o oncologista Tulio Eduardo Flesch Pfiffer, membro da equipe médica do Hospital Sírio-Libanês que trata o prefeito.

Contudo, em entrevista coletiva realizada nesta quinta-feira, 18, a equipe médica que atende o prefeito afirmou que a doença "ganhou terreno".  O novo nódulo, porém, tem poucos milímetros e é bem menor do que o 1° encontrado em 2019, que tinha 2cm.

"Observou-se o surgimento de um pequeno nódulo hepático, o que nos sugere que a doença tenha ganhado terreno apesar da imunoterapia", afirmou o médico oncologista Artur Katz, que integra a equipe médica de Covas.

Segundo o que disse Pfiffer, trata-se de uma metástase que, embora não desejada, ocorre "com uma certa frequência" em casos como o de Covas.

Pfiffer afirmou que a nova lesão não piora o quadro, pois o prefeito já havia tido uma metástase também no fígado que pôde ser eliminada com quimioterapia.

"Em outubro de 2019, quando ele descobriu o câncer, ele já tinha uma metástase no fígado. Ele fez as sessões de quimioterapia e a resposta foi completa e sustentada. O resultado foi muito bom. A descoberta dessa nova lesão não piora o cenário. Esperamos que ocorra o mesmo agora", explicou Pfiffer. Ele contou ainda que o tumor recém-descoberto no fígado é "bem menor" do que o detectado no mesmo órgão em 2019.

O especialista esclareceu que a única mudança que a equipe foi obrigada a fazer foi a interrupção da imunoterapia para controle das lesões cancerígenas nos linfonodos para início da quimioterapia para combater a lesão no fígado. 

Covas terá de fazer mais quatro sessões de 48 horas, com intervalo de duas semanas entre elas. A primeira sessão foi realizada já nesta quarta, e o prefeito deverá permanecer internado até sábado.

"Em dois meses faremos novos exames de imagem para ver a condição e definir os próximos passos do tratamento", explicou o oncologista.

O médico disse ainda que Covas não mudou sua postura ao receber o novo diagnóstico e que a equipe médica pretende manter a autorização para que ele trabalhe entre as sessões de químio. "Ele sempre tem uma cabeça muito boa, uma disposição muito grande, força e determinação. A ideia é que ele mantenha a rotina de trabalho", afirmou.

Diferentemente do que fez no início do ano, desta vez, Covas optou por não se licenciar do cargo e está despachando do seu quarto no hospital. 

"A rotina não mudou. Hoje é tudo online. Bruno está tocando a prefeitura pelo WhatsApp e telefone", disse ao Estado o chefe da Casa Civil, Ricardo Tripoli

Tudo o que sabemos sobre:
Bruno Covas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.