Nova Jerusalém atrai 45 mil pessoas

Quarenta e cinco mil pessoas assistiram até hoje ao megaespetáculo da Paixão de Cristo, em Nova Jerusalém, no agreste pernambucano. A expectativa dos organizadores é a de alcançar um público total de 65 mil espectadores. Nova Jerusalém é uma cidade-teatro construída em uma área de 100 mil metros quadrados, numa réplica de Jerusalém, onde nasceu Jesus. É cercada por uma muralha de pedras com 70 torres de sete metros de altura cada. A paisagem árida - semelhante à da Judéia -, aliada aos modernos efeitos de luz e som, dá ao espetáculo um tom de realismo que reforça a emoção de quem acompanha a via sacra do Cristo.O teatro é considerado o maior ao ar livre do mundo. Nele, 500 atores e figurantes dão vida à Paixão. Desta vez, o elenco é encabeçado pelos atores globais Maitê Proença (Maria), Flávia Alessandra (Madalena), Miguel Falabela (Herodes) e Luciano Szafir (Pilatos). Jesus é representado pelo pernambucano Marcelo Valente. Dirigida por Carlos Reis e Lúcio Lombardi, a peça tem texto de Plínio Pacheco, idealizador e construtor da cidade-teatro.A movimentação dos atores é seguida de perto pela platéia - de aproximadamente 8 mil pessoas por noite - que percorre os arruados e se posta diante de nove diferentes palcos onde se desenrola a história. A peça, que tem duração de quase três horas, começou a ser encenada em 1951 na vila da cidade e, desde 1968, é apresentada na cidade-teatro. Somente em 1997 o elenco, até então integrado por atores locais, passou a ter a participação de nomes nacionalmente conhecidos como forma de melhor divulgar a superprodução. Artistas como Fábio Assunção, Hérson Capri, Patrícia Pilar, Diogo Vilela, Cristiane Torloni e Letícia Spiller já atuaram no espetáculo.GrandezaA grandeza da Paixão de Nova Jerusalém pode ser expressa através dos números: 860 refletores, 280 caixas de som, 700 figurinos, 400 profissionais e 23,7 mil refeições são servidas a atores, figurantes e equipe nos dias de espetáculo e ensaios. Uma das inovações deste ano foi a instalação de uma feira temática na entrada da cidade-teatro. Além de barracas com comidas e bebidas, o artesanato regional pode ser apreciado e adquirido em tendas de estilo árabe com vendedores vestidos com trajes da época de Jesus.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.