Nova denúncia contra Renan justifica sua cassação, diz tucano

Álvaro Dias diz que, se for confirmada, acusação de repasses a empresa fantasma 'dispensam' outros processos

ELIZABETH LOPES, Agencia Estado

15 Outubro 2007 | 14h22

O senador Álvaro Dias (PSDB-PR) disse nesta segunda-feira, 15,  que a nova denúncia contra o senador Renan Calheiros (PMDB-AL), divulgada com exclusividade pelo Estado e que indica que o peemedebista elaborou emenda permitindo repasse de R$ 280 mil para uma empresa fantasma, é da maior gravidade e, se for confirmada, justificaria a cassação do mandato de Renan.   Veja também:     Cronologia do caso  Entenda os processos contra Renan  PSOL quer abrir 6° processo contra Renan; Mesa discute o 5° Após pressão de quase 5 meses, Renan se afasta da presidência   "Esta nova denúncia é gravíssima, e, se for confirmada, justificaria a cassação e poderíamos dispensar os outros fatos (representações)", destacou o tucano, após participar de debate sobre voto secreto ou aberto na Federação do Comércio do Estado de São Paulo(Fecomercio-SP), realizado nesta manhã na Capital.   Por conta desta denúncia, o PSOL estuda pedir a abertura da sexto representação contra o presidente licenciado do Senado.   Álvaro Dias ressaltou que Renan Calheiros se afastou da presidência do Senado muito tarde. "O Senado está achincalhado perante à opinião pública, porque Renan deveria ter se licenciado logo no primeiro momento", comentou. E reiterou: "E isso foi ruim para ele, porque não resta outra alternativa aos senadores a não ser cassar o seu mandato. Espero que o Senado aja com rapidez antes do prazo de 45 dias de sua licença".      Após quase cinco meses, Renan pediu licença do cargo  na última quinta-feira. Em discurso breve,transmitido pela Tv Senado,  o presidente da Casa disse que "confia na justiça".   O senador tucano frisou também que o Senado federal deverá aprovar a votação aberta para os casos que envolvem perda de mandatos. E voltou a cobrar agilidade na deliberação das representações que tramitam contra Renan na Casa. "Temos de votar urgentemente e de forma transparente, porque a população tem direito, agora, de saber o posicionamento de cada um de nós". Na sua avaliação, o consenso que existe hoje no Senado para votação aberta nos processos de cassação de mandato se dá em função da pressão popular.               CPMF no Senado         Sobre a aprovação da CPMF no Senado, Dias disse acreditar que será uma "batalha". "O governo fará de tudo para aprovar a prorrogação desta contribuição, mas a oposição tem o dever de fazer tudo também para derrotar o governo", disse o tucano. Álvaro Dias destacou que a oposição no Senado deverá rejeitar qualquer tipo de negociação com o governo. "Na verdade, essa história de compensação morreu na Câmara dos Deputados, porque o governo foi intransigente", considerou. O tucano disse que seu partido é contra a prorrogação da medida e irá trabalhar para rejeitá-la. "A solução é acabar com a CPMF, até mesmo porque o governo está com excesso de receita", disse. Para o senador do PSDB, a tramitação da CPMF na Casa representa a grande oportunidade de se eliminar este tributo. "Nesses anos foram confiscados R$ 258 bilhões do povo brasileiro. A CPMF é um imposto perverso e, por isso, tem de acabar".

Mais conteúdo sobre:
Caso Renan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.