Notificação não significa cassação, afirma Biscaia

Vinte dias depois de ter aprovado relatório parcial com a recomendação para cassar o mandato de 69 deputados e três senadores, a CPI dos Sanguessugas notificou nesta terça-feira, 29, mais três parlamentares acusados de envolvimento com máfia das ambulâncias: o senador Antero Paes de Barros (PSDB-MT) e os deputados Salvador Zimbaldi (PSB-SP) e Philemon Rodrigues (PTB-PB). "A notificação significa que eles serão investigados. Não significa que eles estão no rol dos cassáveis", afirmou o presidente da comissão, deputado Antonio Carlos Biscaia (PT-RJ).Os três parlamentares participariam do esquema, segundo os empresários Luiz Antonio Trevisan Vedoin e Darci Vedoin, donos da Planam, principal empresa da máfia das ambulâncias.A cúpula da CPI decidiu notificar os três sob a alegação de que os empresários teriam apresentado à Justiça indícios de que os parlamentares teriam recebido alguma vantagem para apresentar emendas ao Orçamento para compra de ambulâncias superfaturadas por prefeituras.Ao mesmo tempo em que notificou Zimbaldi, Philemon e Antero, integrantes da CPI das Sanguessugas isentaram os deputados Ricardo Izar (PTB-SP), Ciro Nogueira (PP-PI), Luiz Piauhylino (PDT-PE) e José Múcio Monteiro (PTB-PE) de participar do esquema. "Não basta que o parlamentar tenha emendas que foram parar no esquema. É preciso mais evidências", disse Biscaia, ao afirmar que "por hora o caso está encerrado". Em entrevista à revista Época, Luiz Vedoin citou o nome dos quatro deputados como integrantes do esquema sanguessuga.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.