Nota sobre Marta "e seus dois maridos" será alvo de processo

O PT e o PSDB devem travar uma nova briga na Justiça nesta campanha à prefeitura de São Paulo. O presidente municipal do PT, Ítalo Cardoso, afirmou hoje pela manhã que o partido vai processar o PSDB pela veiculação ontem de uma nota sobre a prefeita de São Paulo e candidata à reeleição, Marta Suplicy, no site oficial do partido tucano. O texto, que já foi retirado do ar, segundo o PT, falava da participação do senador Eduardo Suplicy (PT-SP) em uma vistoria de Marta às obras do túnel no cruzamento das avenidas Rebouças e Faria Lima e trazia o título "Dona Marta e seus ´dois maridos´". "Cá entre nós: que papelzinho ridículo o senador Suplicy se prestou ao sair ´em campanha´ para mitigar a imagem que a senhora Marta construiu para si mesma", diz um trecho da nota."O PT já orientou seu departamento jurídico para ingressar na Justiça contra PSDB. Só estamos definindo se será uma representação no TRE (Tribunal Regional Eleitoral) ou uma ação criminal", afirmou Ítalo. Segundo ele, até o fim da tarde de hoje, isto será definido. Pela manhã, a prefeita participou de um evento na Câmara Municipal para sancionar uma lei que cria conselhos de representantes para cada uma das 31 subprefeituras. A candidata à reeleição, porém, não deu entrevistaAtaque anteriorNo início deste mês, no primeiro comício da campanha de Serra à prefeitura paulistana, o deputado federal Alberto Goldman (PSDB-SP) e o deputado estadual Celino Cardoso (PSDB) atacaram Marta e o marido da prefeira, Luiz Favre, que entraram com processo na Justiça Eleitoral.Ao falar sobre a dívida da prefeitura o Goldman perguntou aos presentes: "Quero saber cadê o dinheiro. De um deles, a gente sabe onde está: na Suíça. E o da Marta? Vamos perguntar para ela ou para o marido dela onde está o dinheiro de São Paulo". Já o deputado estadual tucano afirmou : "Vamos falar da importância de tirar a prefeitura das mãos desta mulher, que parece uma menininha que só quer saber de viajar e namorar e esquece da cidade".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.