Paulo Vitor/Estadão
Paulo Vitor/Estadão

Em nota, BNDES lamenta 'tentativas de manipular diálogo entre Lula e executivo'

Banco afirmou que diálogo entre ex-presidente e executivo da Odebrecht 'tratou de um seminário sobre exportação que teve ampla participação do público interessado e cobertura da imprensa'

VINICIUS NEDER, O Estado de S. Paulo

14 de agosto de 2015 | 20h41

Rio - O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) divulgou nesta sexta-feira, 14, nota em que lamenta "tentativas, na imprensa e em redes sociais, de manipular e distorcer informações buscando envolver" a instituição em "algo supostamente nebuloso" a partir da divulgação do diálogo por telefone do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010) com o executivo da Odebrecht Alexandrino de Salles Alencar.

A transcrição da conversa foi revelada pelo Estado nesta sexta. Segundo a PF, na noite de 15 de junho de 2015, às 20h06, uma pessoa que se identifica por ''Moraes'' telefona para Alexandrino Alencar e passa a ligação para o ex-presidente. A PF não grampeou o ex-presidente. O alvo era Alexandrino Alencar, que acabou sendo preso preventivamente quatro dias depois.

"Na conversa, Lula e Alexandrino abordam sobre a temática do seminário promovido pelo Valor Econômico, intitulado de ''Uma agenda para Dinamizar a Exportação de Serviços'', já amplamente descrito neste relatório de análise de interceptação telefônica, tratando dos polêmicos financiamentos do BNDES às empreiteiras brasileiras, incluindo a Odebrecht", assinala o relatório policial.

Leia a íntegra da nota:

"O BNDES lamenta tentativas, na imprensa e em redes sociais, de manipular e distorcer informações buscando envolver o Banco em algo supostamente nebuloso a partir da divulgação de um diálogo entre o ex-presidente Lula e um executivo da Odebrecht. A conversa não faz referência direta ao BNDES e tratou de um seminário sobre exportação que teve ampla participação do público interessado e cobertura da imprensa."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.