Fernando Frazão/Agência Brasil
Fernando Frazão/Agência Brasil

'Nos tornamos um país judiciário-dependente', diz Gilmar Mendes

Para ministro do STF, Brasil precisa de esforço de 'desjudicialização' e valorização de acordos

Beatriz Bulla, enviada especial a Nova York, O Estado de S.Paulo

02 de novembro de 2018 | 22h52

NOVA YORK - O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), defendeu nesta sexta-feira, 2, que o Brasil passe por um esforço de “desjudicialização”. “Nós nos tornamos, e isto é um problema, um país judiciário-dependente. Não é possível ter-se num País alguma coisa como 100 milhões de processos, qualquer que seja a justificativa. Evidente que temos que repensar isso”, afirmou Gilmar.

Ele defendeu que os integrantes do judiciário se tornem “menos decisórios, menos impositivos, mais humildes”. “Confiarmos nas soluções que a própria sociedade possa eventualmente engendrar”, disse, ao fazer o encerramento do evento II Law and Economics, organizado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) em parceria com a Universidade de Columbia, com apoio do jornal Financial Times, do Brazilian American Chamber of Commerce e da CLS Brazil. 

Gilmar também disse que o País avançou desde a Constituição de 1988 mas é preciso continuar nesse caminho. “Acredito que devemos reconhecer que andamos bastante, banimos a inflação, melhoramos o sentimento de cidadania e avançamos significativamente nesses 30 anos, mas também não podemos negligenciar, nem ser arrogantes e nem deixar de dizer que precisamos continuar nesse aperfeiçoamento institucional, de diálogo, de melhoria”, afirmou o ministro. “Temos que perguntar a que as instituições servem no contexto institucional em que estão inseridos, se estão bem cumprindo sua função”, afirmou Gilmar.

Ele citou como um exemplo de esforço de desjudicialização o acordo em torno da questão dos chamados planos econômicos - celebrado entre instituições financeiras e poupadores. “Felizmente se articulou essa ideia de que era possível, sim, produzir um acordo. E nosso papel era apenas de homologar esse acordo”, afirmou Gilmar. 

O ministro destacou o papel do Judiciário nos últimos anos para “conter exageros” e contribuir para um “equilíbrio institucional”. “O Judiciário contribuiu para um equilíbrio nesse contexto geral, nessa algaravia institucional, que poderia ter se convertido o Brasil. Acho que colocamos freios em determinadas distorções, evitamos abusos”, afirmou Gilmar. “Na área penal, os eventuais exageros, que são muitos, também foram contidos”, completou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.