Nome de Pimenta da Veiga ganha força no PSDB

O senador mineiro Aécio Neves (PSDB) aproveitou as manifestações de junho para congelar o tumultuado processo de escolha do seu candidato ao governo estadual no ano que vem. Enquanto os cinco pretendentes esperam o prazo estipulado por ele para retomar a articulação, o mês de outubro, um novo nome surge no cenário: Pimenta da Veiga.

PEDRO VENCESLAU, Agência Estado

20 de julho de 2013 | 08h13

Parlamentares próximos a Aécio contam que o ex-prefeito de Belo Horizonte e ex-ministro das Comunicações no governo Fernando Henrique Cardoso retomou contatos políticos no estado e já admite que pode entrar na disputa. "Ele é um político muito preparado e um nome que unifica a base do Aécio", diz o deputado Eduardo Azeredo. Um dos fundadores e ex-presidente nacional do PSDB, Pimenta da Veiga mora em Brasília há dez anos e comanda um bem sucedido escritório de advocacia.

Procurado pela reportagem, ele não foi localizado até o início da noite desta sexta-feira, 19. "O surgimento de Pimenta da Veiga entre os possíveis candidatos significa uma reaproximação dele com Aécio Neves em um momento muito difícil para os tucanos.", diz o cientista político mineiro Ruda Ricci.

Ele lembra que quando ainda era presidente da Câmara dos Deputados e estava construindo sua candidatura ao governo mineiro, Aécio alijou o grupo de Pimenta do comando do PSDB estadual. "Agora ele surge como um tertius. O Pimenta da Veiga é um nome respeitado e muito forte. O fato de estar afastado da política também é algo bom nesse momento de manifestações". conclui o sociólogo.

Aécio Neves tem evitado comentar essa hipótese para não melindrar os demais pretendentes, mas tem conversado muito com o ex-ministro de FHC. Entre os cinco postulantes, pelo menos um, Marcus Pestana, é simpático ao nome de Pimenta. Presidente estadual do PSDB mineiro, ele foi chefe de gabinete de Pimenta no Ministério das Comunicações.

As demais opções são o vice-governador Alberto Pinto Coelho, do PP, o deputado estadual tucano Dinis Pinheiro, presidente da Assembleia Legislativa mineira, Renata Vilhena, secretária de Planejamento de Antonio Anastasia e o deputado federal Rodrigo de Castro. O governador Anastasia não pode ser candidato à reeleição porque assumiu o mandato em 2006 .

Um interlocutor de Aécio Neves reconhece que o senador é muito próximo a Pimenta e conversa com ele frequentemente. Mas reforça que as conversas "pragmáticas" serão feitas apenas em outubro.

Até as manifestações, o nome mais forte era o vice-governador. justamente o único do grupo que não é do PSDB. Ele assumiria o governo e tentaria a reeleição no cargo, enquanto o governador Antonio Anastasia disputaria uma vaga no Senado. Pestana e Pinheiro apareciam como os mais cotados nos quadros do PSDB em função da influência na máquina do partido. Castro e Renata Vilhena corriam por fora. As manifestações tornaram o cenário imprevisível.

Os tucanos dizem, ainda, que a candidatura do prefeito Márcio Lacerda ao governo tornou-se inviável depois das manifestações de junho. Um dos núcleos mais atuantes do movimento em Minas foi justamente o "Fora Lacerda", que é formado por ativistas de classe média que representam um dos eleitorados mais fiéis do PSDB no Estado. O prefeito tem reiterado que pretende terminar seu mandato.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2014MGPimenta da Veiga

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.