Antônio Augusto/Câmara
Antônio Augusto/Câmara

Nome de Guilherme Schelb para Educação agrada deputados da bancada evangélica

Schelb é abertamente defensor do projeto Escola Sem Partido e também afirma ser contra 'discussão de gênero' nas escolas

Camila Turtelli, O Estado de S.Paulo

22 Novembro 2018 | 13h10

BRASÍLIA - O nome do procurador regional da República do Distrito Federal, Guilherme Schelb, para assumir o Ministério da Educação de Jair Bolsonaro agrada a deputados da bancada evangélica. Os parlamentares estiveram reunidos nesta quarta, 21, com o futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni,  para reclamar da sugestão do educador Mozart Neves, do Instituto Ayrton Senna, para assumir a pasta.

"Mozart é alinhado com a esquerda", afirmou o deputado Sóstenes Cavalcanti (DEM-RJ). "Levamos nossa insatisfação a Bolsonaro. Temos o direito", disse. A divulgação do nome de Mozart causou alvoroço entre os deputados que participavam de um culto realizado na quarta pela manhã. De lá, o grupo de deputados resolveu se reunir com a equipe de Bolsonaro para levar o posicionamento da frente.

Na próxima terça-feira, os deputados da bancada têm uma nova reunião agendada com Onyx para conversar sobre o ministério. "Queremos somar. Não queremos indicar", disse Marco Feliciano (PSC-RJ). Para Feliciano, Schelb é um bom nome, com experiência para assumir o cargo.

O deputado João Campos (PRB-GO) não quis comentar sobre nomes, mas disse que as ideias de Bolsonaro para Educação estão alinhadas com às da bancada. Campos lançou ontem oficialmente sua disputa à presidência da Câmara, após a desistência do colega de partido, Celso Russomano.

Schelb é abertamente defensor do projeto Escola Sem Partido e já se posicionou favorável ao tema em comissão especial sobre o assunto em 2017. Ele também afirma ser contra "discussão de gênero" nas escolas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.