No Twitter, Agripino se antecipa e recomenda licença de Sarney

Líder do DEM defende 'isenção nas investigações' do Senado; sem aliado, ficará difícil para PMDB segurar Sarney

Andréia Sadi, do estadao.com.br,

30 de junho de 2009 | 12h32

O líder do DEM no Senado, José Agripino,  antecipou-se em seu twitter e recomendou a licença do presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP), a fim de garantir a isenção nas investigações. "Vou defender na reunião de bancada a tese da isenção das investigações. (..)...a isenção recomenda a licença do presidente Sarney", afirmou. As mensagens são postadas pelo próprio senador, do celular. "É ele quem escreve, ele é twittador fanático", confirma a assessoria. O DEM já está reunido para decidir a posição dos 14 senadores da bancada sobre Sarney.

 

Na semana passada, Agripino havia dito ao estadao.com.br que iria esperar explicações do presidente da Casa sobre a após a nova denúncia publicada em O Estado de S. Paulo, segundo a qual um neto de Sarney - José Adriano Cordeiro Sarney - é um dos operadores do esquema de crédito consignado para funcionários da Casa. 

 

Veja também:

link Em carta, Sarney diz que PF vai investigar empresa do neto

som Ouça o discurso de Simon pedindo afastamento de Sarney

especialESPECIAL MULTIMÍDIA: Entenda os atos secretos e confira as análises

lista Confira a lista dos 663 atos secretos do Senado

documento Leia a íntegra da defesa do presidente do Senado

lista O ESTADO DE S. PAULO: Senado acumula mais de 300 atos secretos

lista O ESTADO DE S. PAULO: Neto de Sarney agencia crédito no Senado

 

Na segunda-feira, enviou uma carta aos 80 senadores com objetivo de esclarecer informações sobre a participação de seu neto José Adriano Sarney em negócios no Senado. Segundo o Estado de S.Paulo desta terça, dirigentes do DEM e do PSDB avaliaram que a carta não foi suficiente para responder às dúvidas, nem tampouco para interromper a sucessão de denúncias.

 

Para tucanos e democratas ouvidos pela reportagem, o argumento de Sarney não comprova a inexistência de tráfico de influência, nem convence a opinião pública de que não houve favorecimento.

 

Mais importante pilar de sustentação de Sarney no comando da presidência do Congresso, o DEM já trabalha nos bastidores com a ideia de pedir o afastamento temporário dele.

 

Sem o aliado, ficará difícil para o PMDB segurar Sarney na cadeira de presidente. Além do DEM, outros partidos da base aliada e da oposição, como o PSDB e o PT, também devem se reunir à tarde para examinar a situação política de Sarney.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.