DIDA SAMPAIO/ESTADAO
DIDA SAMPAIO/ESTADAO

No Senado, Nobel da Paz causa tumulto ao dizer que há 'possível golpe' no País

Mais cedo, o argentino Adolfo Pérez Esquivel se encontrou com a presidente Dilma e falo de preocupação do Papa com o País; a pedido da oposição, trecho foi retirado notas taquigráfica

Ricardo Brito , O Estado de S. Paulo

28 de abril de 2016 | 14h23

BRASÍLIA  - Em visita ao Senado após ter se encontrado com a presidente Dilma Rousseff no Palácio do Planalto, o Nobel da Paz Adolfo Pérez Esquivel causou tumulto ao dizer em plenário que há um "possível golpe" em curso no País. A declaração gerou discussão entre os senadores, que cobraram do presidente em exercício da Casa, o petista Paulo Paim (PT-RS), a retirada da fala do ativista argentino de direitos humanos.

 

"Creio que neste momento há grandes dificuldades (oriundas) de um possível golpe de Estado que já se usou esse mecanismo em outros países do continente, como em Honduras e no Paraguai, se utilizou a mesma metodologia", disse Esquivel, sentado ao lado de Paim na Mesa Diretora do Senado. Mais cedo, o argentino falou à imprensa que o papa Francisco está preocupado com a crise política no Brasil.

Primeiro a protestar, o senador tucano Ataides Oliveira (TO) disse que a fala do Nobel da Paz causou-lhe uma "surpresa tremenda" e cobrou a retirada da expressão das notas taquigráficas. "Ela foi inadequada, inaceitável, esse Parlamento jamais poderia ter deixado este senhor, com toda a história que respeitamos, dizer que o Brasil está próximo de um golpe, não admito como senador assistir a uma cena como essa", criticou.

Paulo Paim, contrário ao impeachment de Dilma, disse que não teve qualquer intenção de usar a fala de Esquivel para mandar qualquer recado e que havia advertido o Nobel da Paz sobre o pronunciamento que iria fazer. O líder do DEM no Senado, Ronaldo Caiado (GO), reclamou de Paim, dizendo que foi uma montagem premeditada a vinda do ativista.

"Nós temos que buscar aqui, nesta Casa, uma posição em que a Presidência tenha imparcialidade. Isso é fundamental", criticou Caiado. "Se acharem que a Mesa Diretora vai ser palanque de PT, estão muito enganados", completou.

O líder do PSDB no Senado, Cássio Cunha Lima (PB), afirmou que não se pode dar a palavra a pessoas que não sejam senadores. Ele lembrou ainda que se estava no momento da fala em uma sessão extraordinária de votações. "Senão, vira uma esculhambação. Vou trazer um convidado meu, que não tem voto popular, que não tem a delegação do povo e que, em plena sessão deliberativa do Senado, fará um discurso?", questionou o tucano, ao ressalvar que Paim não agiu de má-fé ao franquear a palavra a Esquivel.

O presidente em exercício do Senado negou ter tido a intenção de se aproveitar da fala de Esquivel e decidiu retirar a expressão. Ex-presidente da Casa, o senador Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN) elogiou a forma como Paim conduziu a questão, embora tenha deixado uma advertência. Disse que ele tomou a "providencia necessária", mas o episódio vai servir de "lição" para casos futuros.

Ataídes Oliveira, o primeiro a questionar a fala de Esquivel, chegou a propor um requerimento de voto de censura a Esquivel, mas os senadores consideraram que a decisão tomada - a retirada da expressão - foi correta. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.