No seminário católico da Áustria, um antro de pedofilia

Para o bispo conservador Kurt Krenn, tratava-se apenas de ?travessuras juvenis?. Não é o que pensam políticos, autoridades eclesiásticas ? que querem sua renúncia ? e a Conferência dos Bispos da Áustria, que prometeu lançar uma ampla investigação sobre acusações de que padres católicos estariam mantendo relações sexuais com jovens seminaristas no país.A Profil, uma respeitada revista austríaca, publicou uma reportagem que inclui fotos de padres importantes beijando e acariciando seus alunos. Segundo a mesma publicação, uma investigação policial descobriu dezenas de milhares de imagens pornográficas, entre elas pornografia infantil, nos computadores de um seminário.As buscas começaram após denúncias de abuso sexual de crianças contra o diretor do seminário, Ulrich Kuechl. O diretor pediu demissão do cargo, mas nega as acusações. Agora, o religioso que o substituiu também se demitiu. O seminário envolvido no caso fica na diocese de St. Poelten, a oeste da capital, Viena, sob a autoridade do bispo Kurt Krenn.Ao contrário de seus colegas na Conferência dos Bispos, Krenn tenta abafar o escândalo. Ele descreveu as atividades reveladas nas fotos como "travessuras tolas" e disse que não há base para as acusações de comportamento sexual impróprio.O escândalo, porém, não deve acabar tão cedo. Algumas autoridades na diocese pedem ao Vaticano que retirem o bispo Krenn do comando da hierarquia católica local. E a polícia ainda não revelou todos os detalhes sobre a sua investigação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.