No RS, Dilma participa de campanha e é tratada como candidata

Secretário de Finanças e Planejamento do PT diz que discurso de Dilma na sexta foi sua estréia como candidata

Elder Ogliari, de O Estado de S. Paulo,

02 de agosto de 2008 | 13h37

A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, participou de reunião da candidata do PT à prefeitura de Porto Alegre, Maria do Rosário, com empresários da capital gaúcha na manhã deste sábado, 2. Os participantes do encontro apontaram problemas da cidade em áreas como infra-estrutura, segurança e burocracia, fizeram sugestões, e ouviram a promessa, feita pela candidata, de integração da cidade ao projeto nacional do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Nossa proposta se integra especialmente a esse jeito que a ministra tem e que nos inspira a uma gestão muito prática, voltada à melhoria da qualidade de vida das pessoas", afirmou Maria do Rosário, ao final da reunião. Aos empresários, Dilma falou do esforço que o governo federal fez para chegar ao atual momento econômico e social. A ministra não deu entrevistas nem ao chegar e nem ao sair do encontro. A reunião foi a segunda atividade de Dilma na campanha do PT às prefeituras gaúchas. A estréia ocorreu na sexta-feira à noite, quando ela subiu ao palanque na festa de lançamento oficial da candidatura de Maria do Rosário. Ainda neste sábado a ministra vai a Caxias do Sul participar de um jantar de apoio à candidatura de Pepe Vargas. Candidatura Embora ainda não tenha assumido publicamente a condição de "candidata de Lula" à sucessão presidencial, Dilma já começa a ser tratada como tal tanto nos bastidores quanto pela militância. Ao final dos discursos de sexta-feira à noite, apesar da pressa com que deixou o Centro de Eventos do Parque da Harmonia, parou diversas vezes para se deixar fotografar com eleitores no trajeto entre o palco e o carro. O secretário nacional de Finanças e Planejamento do PT, Paulo Ferreira, chegou a declarar ao jornal Zero Hora que aquela atividade era a estréia de Dilma como candidata. Neste sábado, explicou que o partido considera o nome de Dilma como um dos que podem se construir, sem citar os outros, que poderão surgir depois da avaliação que o partido fizer das eleições deste ano. "Ela (Dilma) tem os elementos de consolidação de uma candidatura, que são a confiança do partido, densidade eleitoral e estar no momento adequado", justificou. Segundo Ferreira, pesquisas do partido indicam que Dilma conta com boa aceitação entre a população e formadores de opinião.

Tudo o que sabemos sobre:
Dilma Rousseff

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.