No Rio, tucanos citam mensalão e criticam Lula

RIO - Mais que o lançamento da candidatura do deputado federal Otavio Leite (PSDB-RJ) à Prefeitura do Rio, a convenção municipal do PSDB na capital carioca, nesse domingo, 10, serviu para mostrar como os tucanos pretendem usar o julgamento do mensalão no Supremo Tribunal Federal (STF) nas campanhas eleitorais deste ano.

Alfredo Junqueira, de O Estado de S.Paulo

11 Junho 2012 | 03h07

Em discurso no evento, o senador Alvaro Dias (PSDB-PR), representante da executiva nacional do partido, fez críticas ao PT, chamou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de "ex-presidente decadente" e disse que o julgamento vai "colocar na cadeia aqueles que lá devem estar". "A democracia abriga resquícios autoritários sustentados principalmente pelo populismo carismático que quer substituir instituições democráticas. É assim que um ex-presidente tenta fazer o cerco sobre o Supremo Tribunal Federal na esperança de julgar para as calendas o julgamento do mensalão", acusou.

Sem citar o nome de Lula, prosseguiu: "Não é agora que um ex-presidente decadente irá derrotar o Supremo Tribunal Federal, que haverá de realizar um julgamento sério, rigoroso, para colocar na cadeia aqueles que lá devem estar. E não pelas ruas do País pedindo apoio da nossa juventude", disse Dias, referindo-se ao ex-ministro José Dirceu, um dos 38 réus do processo.

'Batalha final'. No sábado, ao participar do 16.º Congresso Nacional da União da Juventude Socialista (UJS), na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), Dirceu convocou os estudantes a irem às ruas defendê-lo durante o julgamento do mensalão e disse que, a partir de agora, será a "batalha final", segundo reportagem do jornal O Globo.

"Todos sabem que este julgamento é uma batalha política. E essa batalha deve ser travada nas ruas também porque senão a gente só vai ouvir uma voz, a voz pedindo a condenação, mesmo sem provas. Eu preciso do apoio de vocês", discursou Dirceu para cerca de mil estudantes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.