No Rio, Cabral erra e chama Dilma de presidente

O governador do Estado do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), cometeu ato falho em seu discurso durante a inauguração das obras de terraplenagem da área em que será instalado o Complexo Petroquímico do Rio (Comperj). Ao comentar a importância dos investimentos de US$ 8,4 bilhões para a região, ele lembrou as pessoas que contribuíram para que o projeto fosse adiante e citou nominalmente a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, em cargo diferente. "Este empreendimento também tem a rubrica da presidente Dilma. Opa, eu quis dizer ministra Dilma. Já estou confundindo as bolas aqui". Além da ministra, também acompanham o presidente Luiz Inácio Lula da Silva o ministro das Cidades, Marcio Fortes, e de Minas e Energia, Edison Lobão. A maioria dos prefeitos dos 11 municípios que serão afetados pela obra também está no mesmo palanque, além dos deputados estaduais e federais da região.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.