No Rio, 2 mil vão às ruas contra ''guerra suja''

A guerra suja que marcou a eleição municipal no Rio levou ontem dois mil jovens às ruas do centro para pedir punição aos crimes eleitorais. Sem lideranças formalmente constituídas ou o suporte de movimentos estudantis, o encontro foi marcado pela internet. Reunidos na escadaria da Câmara dos Vereadores, no início da tarde, seguiram em passeata até o Tribunal Regional Eleitoral, onde protocolaram abaixo-assinado pedindo rigor na apuração das denúncias de boca de urna, fraudes, uso da máquina e campanha negativa apócrifa que acreditam ter influenciado o resultado da eleição. O candidato do PV, Fernando Gabeira, perdeu para Eduardo Paes (PMDB) por menos de 2% dos votos.Embora a maioria se identificasse como eleitora de Gabeira e atribuísse o jogo sujo a Paes, os manifestantes fizeram questão de rechaçar qualquer ligação com políticos, partidos e entidades de classe, insistindo em chamar a ação de "apartidária". Uma mulher que portava bandeira com o nome de Gabeira foi vaiada e obrigada a trocar a camiseta do PV por uma preta, cor que quase todos usavam em protesto. Cartazes que atacavam Paes também foram retirados, mas a maioria ironizava o peemedebista e fazia referência a casos em apuração na Justiça Eleitoral que o teriam beneficiado. Gabeira elogiou a iniciativa, mas não participou. A assessoria de Paes disse que ele não comentaria o protesto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.