Rodolfo Buhrer/Reuters
Rodolfo Buhrer/Reuters

No retorno a Curitiba pela primeira vez após deixar a prisão, Lula ataca Bolsonaro e Moro

Ex-presidente criticou Operação Lava Jato e falou em governo com ‘Estado forte’

Daniel Tozzi Mendes, especial para o Estadão, O Estado de S.Paulo

19 de março de 2022 | 00h18

De volta a Curitiba desde que deixou a prisão, no fim de 2019, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva participou nesta sexta-feira, 18, do evento de filiação do ex-governador do Paraná Roberto Requião ao PT. Requião deixou o MDB e pretende disputar o governo do Estado pelo PT em outubro.

Em discurso que durou cerca de 30 minutos, Lula criticou o presidente e candidato à reeleição, Jair Bolsonaro (PL), e o presidenciável do Podemos, o ex-juiz Sérgio Moro. O ex-presidente afirmou que Bolsonaro é “um homem sem sentimento” e que Moro é “mentiroso”.

Participaram do evento, no auditório de uma universidade particular de Curitiba, políticos do Paraná e lideranças do PT na Câmara dos Deputados e no Senado. Antes do evento, grupos de apoiadores de Bolsonaro reunidos do lado de fora do auditório hostilizavam quem chegava ao local. Após um princípio de confusão entre petistas e bolsonaristas, a Polícia Militar foi acionada. Não houve registros de ocorrência.

Lula disse que estava “emocionado” por retornar à cidade depois dos 580 dias que ficou preso na carceragem da Polícia Federal. Em tom de campanha, fez críticas à política econômica adotada pelo ex-presidente Michel Temer e por Bolsonaro, e reafirmou o discurso de que a solução para o País é “colocar o pobre no orçamento” e que acredita em um “Estado forte”, citando programas do seu governo, como a política de valorização do salário mínimo e o Prouni.

O ex-presidente ainda atacou as privatizações, que, segundo ele, vêm sendo defendidas desde o fim do governo Dilma Rousseff (PT), em 2016, e a atual política de preços adotada pela Petrobras. A atual política externa, que, na avaliação do petista, tornou o Brasil “um pária”, também foi criticada.

“Não me digam que o Lula está radical, não me digam que o Lula saiu da cadeia mais nervoso, querendo vingança. A minha vingança será mostrar que o País pode ser grande”, afirmou o ex-presidente.

Provável candidato a vice na chapa do petista, o ex-governador Geraldo Alckmin, que anunciou sua filiação ao PSB nesta sexta, não foi citado no discurso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.