PEU RICARDO/ESTADÃO
PEU RICARDO/ESTADÃO

No Recife, agenda de Alckmin inclui missa e favela

Governador tucano testa popularidade na capital pernambucana e se reúne com viúva de Campos

Adriana Ferraz, ENVIADA ESPECIAL, O Estado de S.Paulo

19 Novembro 2017 | 21h47

RECIFE - Foi como um teste de popularidade. Ciente de que precisa ampliar seu eleitorado no Nordeste para ter chance de vencer a disputa pelo Planalto em 2018, o governador Geraldo Alckmin (PSDB), cada vez mais confiante de que será o escolhido do partido ao pleito, cumpriu agenda de candidato, neste domingo, no Recife. 

Ciceroneado pelo tucanato local, o governador paulista seguiu o roteiro de um dia de campanha, com direito a missa pela manhã, almoço em um mercado popular e visita a uma favela.

+++ Alckmin diz que não precisa ser presidente do PSDB

+++ Convenção do PSDB em SP impulsiona candidatura de Alckmin

Disposto, Alckmin fez política desde às 8h30, quando desembarcou na capital pernambucana após quase três horas de voo em avião de carreira. Já no aeroporto, foi recebido por uma comitiva chefiada pelo deputado federal Bruno Araújo, primeiro tucano a deixar o governo de Michel Temer. 

Ex-ministro das Cidades, Araújo quer disputar o governo do Estado ou o Senado e busca apoio de Alckmin, que, além de pré-candidato à Presidência, é cotado para também assumir o comando do PSDB ano que vem.

Sobre esse desafio, o paulista, mais uma vez, não deixou clara sua intenção, mas deu pistas de que a possibilidade existe e é cada vez mais forte entre o grupo que o apoia, como a deputada federal Terezinha Nunes (PSDB-PE), presente na comitiva pró-Alckmin. “Falta ele aceitar, mas é claro que seu nome é o mais apropriado.”

+++ Sem alarde, Alckmin costura alianças para 2018

Aos jornalistas, o governador afirmou que não precisa ser o presidente do partido. “O que o PSDB precisa é de unidade para mudar o Brasil.” Acompanhado apenas por José Aníbal e Samuel Moreira – seguindo sua estratégia de passar a imagem da austeridade, Alckmin não levou assessores –, o governador posou de candidato, mas com o cuidado de não tocar no tema eleição e muitos menos pedir votos.

Ao fim da missa das 11h da Igreja Madre de Deus, no Recife antigo, foi aplaudido, tirou selfie com potenciais eleitores, ganhou uma pintura das mãos do frei Rinaldo (famoso entre os católicos da cidade) e, em seguida, o acompanhou em visita à Comunidade do Pilar. Lá, ouviu questionamentos da população sobre programas habitacionais, mas sem opinar ou apresentar qualquer proposta.

O local escolhido para o almoço foi um restaurante simples no Mercado da Madalena, na zona oeste. No cardápio, baião de dois, macaxeira e cerveja – um copo apenas, para combater o calor de 31 graus.

O café foi na casa da viúva do ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos, morto em um acidente aéreo na campanha de 2014. A conversa com Renata Campos durou cerca de uma hora e serviu como uma aproximação com o PSB local, que ainda tem forte influência da família Campos e é disputado também pelo PT.

Antes de jantar com empresários, o tucano conversou com o deputado federal e ex-governador Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE). “Apoio Alckmin para presidente, dou palanque para ele com o PMDB nacional ou sem, como uma dissidência”, afirmou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.