No rádio, Serra diz não temer 'baixarias' de adversários

No rádio, Serra diz não temer 'baixarias' de adversários

Tucano também alfinetou PT e afirmou que não pretende 'lotear' cargos no seu governo

estadão.com.br

12 de abril de 2010 | 11h46

O ex-governador de São Paulo e pré-candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra, concedeu nesta manhã uma entrevista à rádio Jovem Pan, na qual afirmou que não teme que seus adversários, Dilma Rousseff (PT) e Marina Silva (PV), façam uso de "baixarias" para criticá-lo, devido às relações cordiais entre eles.

 

Veja também:

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifAécio diz que 'Dilma é uma grande incógnita'

 

Serra disse também que não acredita que a candidata petista fuja dos debates televisivos, porque "pega mal" com o eleitorado, e que os ataques mais baixos devem vir de candidatos "nanicos".

 

Sobre a possibilidade de uma aliança com o PMDB, que atualmente apoia Dilma Rousseff, após uma eventual vitória nas eleições, o pré-candidato tucano afirmou que vai definir isso apenas após o pleito e seu governo será "de soma, com os setores políticos que estiverem de acordo com o nosso programa e com o nosso estilo de governar". Serra ainda aproveitou para alfinetar o PT ao ressaltar que não pretende "lotear" cargos no governo.

 

O ex-governador de São Paulo disse que é cedo para decidir quem ocupará a vice-presidência na sua chapa, deixando uma abertura para Aécio Neves, e lembrou que o prazo para a definição o vice segue até julho, quando ocorrerão as convenções partidárias.

 

Ligação com FHC

 

Sobre a ligação entre Serra com o governo FHC, o tucano afirmou que o governo que antecedeu Lula será julgado pela história, o que também ocorrerá com o governo do atual presidente após ele deixar o poder.

 

O pré-candidato tucano repetiu o discurso inaugurado no sábado, 10, quando se lançou como candidato "pós-Lula", e disse que a eleição terá como tema o futuro, uma vez que não são candidatos Lula, FHC, José Sarney e Fernando Collor. Ele disse que a dúvida dos eleitores deve ser qual dos candidatos tem mais capacidade de comandar o País.

 

Serra criticou a tática do PT de insistir na comparação entre os governos de Lula e FHC e observou que "é meio sem cabimento comparar com 8 anos antes, quando quem vota no Brasil tinha 8 anos de idade".

 

Sonho de infância

 

José Serra gravou uma versão para o tradicional "repita!", dito pelo locutor da rádio após o informe do horário. O "repita!" de Serra será reproduzido durante a programação. O ex-governador disse que ouvia a rádio quando era criança e mandou um abraço para o comentarista Cláudio Carsughi, "o homem mais antigo do rádio paulista".

Tudo o que sabemos sobre:
Jose SerraJovem PanPSDB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.