No rádio, Dilma fala da vida e Serra compara biografias

O presidenciáveis Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB) estrearam hoje seus programas de rádio, no horário eleitoral deste segundo turno. Com tempo idêntico, dez minutos para cada um, Dilma e Serra exploraram caminhos diferentes para tentar angariar o apoio do eleitorado e conquistar a cobiçada cadeira presidencial nas urnas no dia 31 de outubro. A petista apostou na defesa da vida, como estratégia para tentar reverter a polêmica surgida na reta final do primeiro turno de que seria favorável ao aborto e que lhe tirou votos na parcela do eleitorado religioso. E o tucano apostou na comparação de biografias, destacando que tem mais experiência e capacidade para administrar o País.

ELIZABETH LOPES, Agência Estado

08 de outubro de 2010 | 13h31

O programa de rádio de Dilma citou que a maioria da população brasileira votou nas mulheres no primeiro turno - utilizando o porcentual obtido por Marina Silva (PV) na urnas - para dizer que os eleitores querem uma mulher na Presidência da República. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, um dos maiores cabos eleitorais da candidata do PT, também deu seu depoimento para criticar, mais uma vez, o que ele classifica de campanha difamatória contra Dilma. Governadores da situação eleitos no dia 3 de outubro, como os do Rio de Janeiro, Sergio Cabral (PMDB), do Rio Grande do Sul, Tarso Genro (PT), e da Bahia, Jaques Wagner (PT), também deram seus depoimentos a favor da ex-ministra da Casa Civil. Dilma foi apresentada ainda como mulher, mãe e avó.

O programa de Serra apostou fortemente na biografia do tucano e o presidenciável disse que pretende fazer um governo de mãos limpas, numa crítica indireta aos escândalos que envolveram o partido de sua adversária. Ainda nas críticas, o programa de rádio do PSDB mostrou também que Dilma Rousseff não soube administrar uma lojinha de R$ 1,99, pois o negócio não prosperou. Na avaliação de Serra, é arriscado colocar na cadeira de presidente da República alguém que a população não sabe o que vai fazer. Os dois presidenciáveis agradeceram os votos que tiveram do eleitorado no primeiro turno e pediram a confiança de cada um neste segundo turno para chegar ao mais alto cargo eletivo do País.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.