JOSE LUCENA/FUTURA PRESS
JOSE LUCENA/FUTURA PRESS

Witzel e Paes votam no Rio e se dizem confiantes na vitória

Última pesquisa Ibope deu uma diferença de oito pontos de vantagem para candidato do PSC

Fernanda Nunes e Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

28 de outubro de 2018 | 10h47
Atualizado 28 de outubro de 2018 | 15h12

RIO - Líder nas pesquisas de intenção de voto na eleição do governo do Estado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC) disse que a expectativa é de vitória, ao chegar para votar por volta da 9h, no bairro do Grajaú, na zona norte do Rio. O candidato, nos últimos dias de campanha, perdeu espaço para o adversário Eduardo Paes (DEM), segundo as pesquisas.

O candidato ao governo do Estado do Rio pelo DEM, Eduardo Paes, se mostrou confiante na vitória ao votar na manhã deste domingo, no Gávea Golf Club, em São Conrado, na zona sul do Rio. Mas, por via das dúvidas, passou na Igreja da Penha antes, para rezar e fazer uma promessa. Ele chegou ao local de votação por volta das 9h30, acompanhado da mulher, dos dois filhos e do candidato a vice-governador em sua chapa, Comte Bittencourt.

“Estou animado e bastante otimista porque as pesquisas mostram uma curva ascendente e do adversário descendente. Estou confiante que os eleitores vão saber escolher aquele que tem condições para governar o estado”, disse logo que chegou na zona eleitoral. 

A última pesquisa do Ibope mostrava que Paes tinha 46% das intenções de voto, contra 54% para Wilson Witzel (PSC). No início do segundo turno, a diferença era de 20 pontos.

Depois de votar, Paes conversou com os jornalistas. Ele afirmou que, durante o segundo turno, as pessoas puderam conhecer melhor o ex-juiz. "Os eleitores tiveram tempo nas últimas três semanas para saber mais sobre meu adversário. Ele se mostrou muito despreparado e conhece muito pouco a realidade do nosso estado", afirmou.

Paes disse ainda que, caso seja eleito, as prioridades de seu governo serão as finanças do estado e a segurança pública.

"Precisa organizar as finanças do estado. Mostramos capacidade para fazer isso na prefeitura do Rio. Além disso, precisamos agir rapidamente na segurança pública. Antigamente as pessoas tinham medo de sair à noite, hoje as pessoas também sentem o mesmo durante o dia", afirmou Paes. Por fim, o candidato disse que seu governo também vai priorizar a saúde.

O ex-prefeito destacou o papel das redes sociais nas eleições deste ano, sobretudo na surpreendente ascensão de Witzel na reta final do primeiro turno. 

"Essa eleição introduz o elemento do mundo digital, do Whatsapp, das redes sociais, a capacidade de espalhar informações é muito maior do que no passado", afirmou. “Mas disputo eleição desde 1996, estou acostumado ao jogo democrático, a ser questionado, indagado. E sei que se for eleito, vai ser mais duro ainda.

Antes de votar, o candidato foi até a Igreja da Penha para assistir a celebração de uma missa durante a manhã. “Fiz minhas preces e minhas promessas.”

O candidato do DEM não quis revelar o seu voto para presidente. Mas afirmou considerar positivo que nem Jair Bolsonaro (PSL) nem Fernando Haddad (PT) tenham se posicionado sobre as eleições do Rio. 

'Recuperação fiscal'

Embora não tenha recebido o apoio do candidato à Presidência do PSL, Jair Bolsonaro, Witzel disse preferir que, caso saia vitorioso, governe ao lado de Bolsonaro.

"Mas, independentemente disso, nosso projeto é de reestruturação da economia do Estado. Ainda que tenhamos que manter a lei de recuperação fiscal, têm alternativas para atrair novos investimentos", disse o candidato, acrescentando que aposta no lançamento de uma concorrência internacional para realizar obras de infraestrutura que gerem emprego e estimulem a economia.

Witzel chegou para votar acompanhado da esposa Helena Witzel e dos três filhos menores de idade. Ele tem mais um filho do primeiro casamento, Erick Witzel, de 24 anos, que já declarou não querer exposição na campanha do pai. "A Helena simboliza o que é a mulher brasileira" por acompanhá-lo na campanha, disse o candidato ao falar com a imprensa ao chegar na zona eleitoral. 

Após votar, a família parou numa padaria tradicional do bairro que costuma frequentar. Em seguida, partiu para missa celebrada pelo arcebispo do Rio Dom Orani Tempesta, na igreja São Judas Tadeu, no bairro do Cosme Velho, zona sul do Rio. Dom Orani recebeu nos últimos dias Bolsonaro e Fernando Haddad, candidato à presidência pelo PT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.