No primeiro encontro, equipe de transição discute orçamento e mínimo

Reunião que durou cerca de um hora serviu também para definir as funções dos principais membros da comissão

Andréa Jubé Vianna, da Agência Estado,

08 de novembro de 2010 | 14h22

BRASÍLIA - Durou cerca de uma hora a primeira reunião da equipe de transição do governo, no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB). Segundo o vice-presidente eleito, Michel Temer, o orçamento para 2011 e o valor do salário mínimo foram os temas principais da reunião desta segunda-feira, 8.

 

Veja também:

linkDilma terá primeiro teste fiscal com novo mínimo

linkTransição pode custar R$ 2,8 milhões

blogNo rádio, Lula diz que eleição de Dilma é uma 'vitória do bom senso'

linkCasa Civil nomeia sete para governo de transição

 

O grupo de transição decidiu marcar um encontro com o relator do orçamento, senador Gim Argello (PTB-DF), para discutir o texto final do Orçamento e a questão do mínimo. O relator manteve na proposta, entregue na última sexta-feira, 5, o salário mínimo em R$ 538,15, como quer o governo. Mas, em conversas com jornalistas, Argello já sinalizou a possibilidade de elevar o valor para R$ 540. Em outra frente, lideranças das centrais sindicais pressionam para a elevação do mínimo para R$ 580.

 

Ainda na reunião desta segunda, ficaram delimitadas as funções dos principais membros da comissão de transição. Caberá aos deputados José Eduardo Martins Cardozo e Antonio Palocci a coordenação da parte administrativa da transição. O vice Michel Temer e o presidente do PT, José Eduardo Dutra, farão a interlocução com os presidentes dos partido aliados.

 

Além da equipe de Dilma, participaram, do lado do governo, os ministros Paulo Bernardo (Planejamento), Alexandre Padilha (Relações Institucionais) e o chefe de gabinete do presidente Lula, Gilberto Carvalho.

 

Após a reunião, Dutra, Martins Cardozo e Palocci continuaram no CCBB , onde se reuniram por 20 minutos com o ministro interino da Casa Civil, Carlos Eduardo Esteves Lima. Na saída, os três não falaram com a imprensa.

 

Temer confirmou para a terça-feira, 9, a reunião com os líderes partidários para definir a votação das 12 medidas provisórias que trancam a pauta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.