No PA, dois palanques para Dilma e divisão no PSDB

Pré-candidata à Presidência pelo PT conta com um da governadora Ana Júlia Carepa (PT) e o outro do deputado federal Jader Barbalho (PMDB)

Carlos Mendes, de O Estado de S.Paulo

07 Maio 2010 | 18h39

BELÉM - As desavenças políticas entre PT e PMDB no Pará poderão criar um fato inusitado na eleição de outubro, quando os dois partidos, aliados no plano nacional, tiverem que receber no Estado a pré-candidata a Presidência da República, Dilma Roussef: dois palanques para ela, um da governadora Ana Júlia Carepa (PT) e o outro do deputado federal Jader Barbalho (PMDB). O PMDB defende abertamente o rompimento com a governadora e estimula Jader a enfrentá-la nas urnas como candidato ao governo.

 

A governadora é acusada de não honrar os compromissos com seus aliados, sobretudo o PMDB, cujo apoio foi decisivo para acabar com a hegemonia de 12 anos do PSDB no poder estadual. Os peemedebistas receberam algumas secretarias de governo, mas os ocupantes alegam que eram penalizados com a falta de recursos e vigiados permanentemente por petistas indicados pela própria Ana Júlia.

 

"A verdade é que nesses três anos e alguns meses nós nunca participamos do governo ", define Jader, acrescentando haver grande diferença entre participar de um governo, opinar sobre políticas de governo e ter pessoas empregadas no governo. "O que tivemos foi apenas isso: pessoas empregadas no governo". Pelo tamanho do PMDB no Estado, inclusive decidindo eleições nos últimos 16 anos, Barbalho entende que não interessa ao partido ter vinte ou trinta pessoas empregadas no governo, que não opinam, não interferem na administração onde atuam e que teriam sido "esvaziadas" ao longo do tempo.

 

A dura lição, diz o deputado poderia ser resumida da seguinte maneira: "mesmo novamente correndo atrás do PMDB em busca de apoio, o que a governadora e a ala que a cerca não irão fazer quando tiverem alcançado mais quatro anos de governo sem precisar da reeleição?"

 

Segundo Barbalho, o problema na relação com Ana Júlia não ocorreu somente com o PMDB, mas com o próprio partido da governadora, o PT, que possui "várias alas". Para ele, há um grupo petista que controla o partido e outro que controla o governo. Perguntado se no caso de não lançar sua candidatura ao governo iria apoiar o ex-governador tucano Simão Jatene, o deputado foi taxativo: "tenho um bom relacionamento com ele, mas não é só com ele, e sim com lideranças de todos os partidos".

 

Jatene, porém, se quiser contar com eventual apoio de Barbalho terá primeiro que superar suas divergências dentro do PSDB com o seu padrinho político, o ex-governador por dois mandatos seguidos, Almir Gabriel. Os dois atualmente sequer se cumprimentam e Gabriel luta para impedir que Jatene seja o candidato do partido. Gabriel acusa o ex-governador de ter feito "corpo mole" em 2006, permitindo que Ana Júlia e Barbalho, unidos, provocassem sua derrota nas urnas.

 

Ele não perdoa o fato de o PSDB ter feito nas urnas a maior bancada da Assembleia Legislativa, com dez deputados, e afirma que Jatene "não teve competência" para elegê-lo governador. "Foram erros e erros cometidos", dispara. Gabriel recebeu o Estado em seu sítio, na região metropolitana de Belém, profetizando que Jatene não será candidato ao governo. Sua certeza estaria baseada na suspeita de que o ex-governador 'não goza de saúde" para suportar a campanha eleitoral. Revelou ter ouvido queixas no PSDB sobre a ausência de Jatene nos municípios onde são marcadas suas visitas.

 

Provocado, confessa que gostaria de disputar o governo. Diz que uma pesquisa encomendada pelo PSDB aponta que ele teria 32% de chances de vencer a convenção, contra 29% de Jatene. E culpa o presidente nacional do partido, o deputado Sérgio Guerra, por ter optado por um Jatene "mais simpático e bonitinho". Demonstra mágoa com o PSDB, dizendo que o partido, por ele chamado de "oposição chapa-branca no Pará", o considera "gagá e incapaz", sem entender o motivo do alijamento.

 

A proposta de Gabriel é o PSDB apostar numa terceira via, indicando como cabeça de chapa ao governo, numa dobradinha com o PR, o vice-prefeito de Belém, Anivaldo Vale, alguém indicado pelo prefeito da capital, Duciomar Costa (PTB), ou até mesmo um nome do DEM. Dos democratas, destaca a ex-vice-governadora de Jatene, Valéria Pires Franco, a quem define como "revelação extraordinária da política paraense".

 

Ouvido pelo Estado, Jatene evitou fazer críticas diretas a Gabriel. Observou, no entanto, que o colega de partido "não está bem", sem entrar em detalhes. Apenas lamentou que seja alvo de declarações que "nada constroem" no momento em que o mais importante seria definir um "novo rumo" para o estado do Pará. Mas nega não ter se empenhado em eleger Gabriel. O argumento é de que a eleição dele não ocorreu por circunstâncias alheias ao PSDB.

 

Na verdade, faltaram votos suficientes para que Gabriel viesse a governar o Estado pela terceira vez. Jatene não quer falar do passado, de olho no presente. Diz que o PSDB está "todo fechado" com sua candidatura. Vai para a convenção com os votos de delegados de todo o interior. Só espera que Gabriel não se lance candidato na hora da convenção. Não vê qualquer sentido nisso.

 

A governadora Ana Júlia Carepa, por intermédio de sua assessoria, informou que não tinha espaço na agenda para conceder entrevista ao Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.