André Pessoa/Estadão
André Pessoa/Estadão

No Piauí, Bolsonaro causa aglomeração e tira máscara em primeira viagem após isolamento por covid

Presidente desembarcou no Piauí e foi para a Bahia, onde participou de inauguração de uma adutora que leva água do Rio São Francisco para o município

Andre Pessoa, Especial para o Estado e Tomás Conte, O Estado de S.Paulo

30 de julho de 2020 | 12h07
Atualizado 30 de julho de 2020 | 21h04

Em sua primeira agenda externa após ser diagnosticado com covid-19, no início do mês, o presidente Jair Bolsonaro foi recebido nesta quinta-feira, 30, pela manhã por dezenas de pessoas ao desembarcar no aeroporto de São Raimundo Nonato, no Piauí (a 436 de Teresina). No início, Bolsonaro usava máscara no rosto, mas logo deixou-a abaixo do queixo enquanto era cercado por apoiadores, alguns deles sem proteção sobre boca e nariz – em descumprimento ao que orienta a Organização Mundial da Saúde (OMS). 

Ao sair do aeroporto, Bolsonaro usou um chapéu de vaqueiro branco, montou em um cavalo e acenou para as pessoas que o chamavam de “mito”. Mais cedo, outro grupo de manifestantes protestou usando faixas com críticas à postura do governo no combate ao coronavírus.

Em Campo Alegre de Lourdes, no interior da Bahia (800 km de Salvador), o presidente inaugurou uma adutora do Rio São Francisco. Ele afirmou que fez “o possível” para minorar os efeitos da pandemia. “Começamos enfrentando uma pandemia, ninguém esperava isso, mas ela veio, e nós fizemos tudo o possível para que seus efeitos fossem minorados. Mas fizemos isso tendo ao nosso lado valorosos senadores e deputados”, disse. “Ninguém governa sozinho.” 

Nem o governador Wellington Dias (Piauí), nem Rui Costa (Bahia), ambos do PT, participaram da agenda. Esta é a segunda viagem de Bolsonaro ao Nordeste – região considerada reduto petista e onde o presidente registrou os porcentuais mais baixos de votação nas eleições de 2018. No final de junho, esteve no Ceará para inaugurar trecho da transposição do São Francisco. Foi o senador Ciro Nogueira, presidente nacional do Progressistas, líder do centrão e réu no STF, que convenceu Bolsonaro a não apenas pousar na cidade piauiense, mas aproveitar a oportunidade para capitalizar o auxílio emergencial, em especial no semiárido.

No início de julho, o presidente anunciou que foi diagnosticado com covid-19, e ficou isolado no Palácio do Alvorada. O Palácio do Planalto anunciou que os exames da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, também deram positivo para o coronavírus.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.