Marcos Corrêa/PR
Marcos Corrêa/PR

No México, Temer diz que MDB rechaça compor chapa e banca Meirelles como candidato

Presidente minimiza impacto de propostas de Marun para fixar mandatos de ministros do STF e criar corte para 'dirimir conflitos' do Judiciário

Beatriz Bulla, enviada especial, O Estado de S.Paulo

24 de julho de 2018 | 14h05

PUERTO VALLARTA, MÉXICO - O presidente Michel Temer disse nesta terça-feira, 24, que o ex-ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, segue como o candidato do MDB à Presidência da República e descartou a possibilidade de composição de chapa com outro candidato nas eleições de 2018.

Questionado sobre resistências ao nome de Meirelles e possibilidade de o ex-ministro abrir mão da candidatura, Temer disse que "está aumentando cada vez mais a chance de ele continuar (candidato)". "Ele é candidato", reiterou o presidente, ao falar com a imprensa no México, onde se encontra para reunião entre presidentes da Aliança do Pacífico e do Mercosul.

O presidente minimizou a mensagem do ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, que veio a público no domingo. "O PMDB é um partido muito eclético, vocês sabem disso. E cada um tem as suas opiniões", disse.

Marun propôs em mensagem de Whatsapp que Meirelles e o MDB defendam uma forma de "leniência" ao caixa dois praticado em eleições passadas e a fixação de mandato para ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Marun sugeriu a criação de uma corte constitucional para "dirimir conflitos" entre o STF e a Constituição, um conselho superior para controle externo das polícias e avançou sobre a área social, ao recomendar o fim da gratuidade total aos pacientes no Sistema Único de Saúde (SUS). 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.