No DF, Lula se despede de movimentos sociais

'Esta é a última conferência (desse segmento) da qual participo como presidente da República deste país', diz o Presidente

Tânia Monteiro, de O Estado de S.Paulo

21 de junho de 2010 | 18h53

BRASÍLIA - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva aproveitou nesta segunda-feira, 21, o rápido discurso de improviso, que durou apenas 15 minutos, durante a 4ª Conferência Nacional das Cidades, para se despedir dos movimentos sociais presentes ao encontro. "Esta é a última conferência (desse segmento) da qual participo como presidente da República deste país", disse Lula, aplaudido de pé, com gritos de "olé, olé, olá, Lula lá".

 

"Eu tenho convicção de que, nessas quatro conferências, avançamos muito e eu espero que o governo futuro veja que é mais fácil acertar ouvindo o povo do que acertar no silêncio dos gabinetes", disse Lula, que agradeceu aos representantes desses movimentos que, segundo ele, sabem que estão ali representando o que o povo quer dizer.

 

"Vamos continuar avançando e conquistando vitórias", disse o presidente, aproveitando para informar que o programa Minha Casa, Minha Vida, até o final do ano, contratará o número de um milhão de casas prometidas. "No dia 10 de janeiro, quem quer que venha a assumir a presidência já vai encontrar Minha Casa, Minha Vida 2", disse Lula, enquanto a plateia delirava, gritando "Dilma, Dilma".

 

Lula, que parecia estar comandando um show, pediu aos presentes que levantassem a mão para que o seu fotógrafo oficial pudesse registrar uma imagem daquele último encontro com os movimentos sociais. O presidente aproveitou para responder as críticas dos que dizem que os movimentos sociais estão cooptados pelo governo com as verbas repassadas. "Depois, assim que acabar a cerimônia, eu desço aí para agradecer de público o comportamento de vocês que, com lealdade e sem submissão, nunca abriram mão dos objetivos do movimento, sempre cobraram e entenderam quando não era possível", disse Lula, sob aplausos. E emendou: "Feliz de um presidente da República que tem os companheiros e companheiras e a relação de amizade que construí com vocês na vida".

 

Lula disse ainda que espera que no dia 31 de dezembro encontrar aqueles representantes dos movimentos sociais "tratando-os de companheiros e companheiras e dizendo que valeu a pena ter passado pela presidência da República e, como presidente da República, criado outra relação entre o governo e seu povo".

 

O presidente falou ainda, durante a cerimônia, de uma das lideranças do movimento social de lutas por moradia na capital paulista, Luiz Gonzaga da Silva, conhecido como Gegê. "Eu sei que o Gegê está preso, suspeito de ter cometido um crime e, como presidente, não cabe a mim julgar e falar. Eu só espero que o Gegê tenha um julgamento digno e que, se for condenado, cumpra". Líder do Movimento de Moradia do Centro, Gegê é acusado de homicídio ocorrido durante uma ocupação ocorrida em 18 de agosto de 2002.

 

Lula pediu ainda um minuto de silêncio para as vítimas das enchentes de Alagoas e Pernambuco e disse que está mandando um hospital das Forças Armadas. "Vamos fazer tudo com a mesma rapidez que fizemos para os atingidos em Santa Catarina e Rio de Janeiro, inclusive liberando o fundo de garantia para quem tem". Durante a conferência, Lula assinou um decreto regulamentando a lei de saneamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.