No Congresso, Dilma promete política de ganho real para o salário mínimo

A presidente Dilma Rousseff abriu oficialmente os trabalhos no Congresso Nacional nesta terça-feira, 2, com a leitura de uma mensagem aos parlamentares na qual prometeu encaminhar ao Congresso uma proposta de política de reajuste do salário mínimo que garanta ganhos reais frente à inflação.

André Mascarenhas,

02 de fevereiro de 2011 | 17h34

 

Dilma repetiu o gesto do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que em 2003 quebrou o protocolo e leu ele mesmo o discurso, uma função geralmente atribuída ao ministro-chefe da Casa Civil. No discurso, a presidente também defendeu a manutenção da “estabilidade econômica como valor absoluto”.

 

Dilma atribuiu “momento inédito” da história do País, em que os trabalhadores formais superam os informais, à política macroeconômica praticada pelo governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “O crescimento econômico, combinado com a ampla rede de proteção social, possibilitou nos últimos oito anos que 27,8 milhões de brasileiros obtivessem uma renda maior e ultrapassassem a linha da pobreza”, disse.

 

A presidente se comprometeu ainda com a manutenção dos pilares macroeconômicos e com o combate à inflação. “Não permitiremos, sob nenhuma hipótese, que a inflação volte a corroer nosso tecido econômico e a penalizar os mais pobres.”

 

Dilma reiterou ainda o compromisso assumido em sua posse de combater a pobreza extrema e cobrou de todos os brasileiros atitudes nesse sentido. “O Brasil não pode aceitar mais que milhares de pessoas continuem vivendo na miséria, não tenham alimentação suficiente, não tenham um teto para viver, não tenham condições fundamentais de vida.”

 

Segundo ela, promover a inclusão social é fortalecer a democracia. “A democracia nos abriu um horizonte mais promissor, de justiça social, redução das desigualdades e consolidação do desenvolvimento econômico e social.”

Tudo o que sabemos sobre:
Dilma, Congresso, salário mínimo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.