Max Rossi/Reuters
Max Rossi/Reuters

No comando da FAO, Graziano diz que prioridade no combate à fome é a África

Em sua primeira entrevista coletiva como diretor-geral da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, ex-ministro destaca metas e menciona ações do governo brasileiro

do estadão.com.br

03 de janeiro de 2012 | 11h55

O brasileiro José Graziano afirmou nesta terça-feira, 3, que os países africanos serão o foco de atuação da FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação) no combate à fome. Em sua primeira entrevista coletiva como diretor-geral do órgão, Graziano destacou quais serão as prioridades de sua gestão.

 

O novo diretor-geral reafirmou que terá como compromisso alcançar a meta de erradicação da fome mundial e a proteção dos recursos naturais. Destacou ainda o compromisso de reduzir os efeitos das mudanças climáticas para populações mais pobres.

 

Coordenador do programa Fome Zero no governo Luiz Inácio Lula da Silva, Graziano mencionou o papel da América Latina no combate à fome. Sem fazer menções diretas ao programa brasileiro ou ao Bolsa Família, o novo diretor-geral afirmou que países como Brasil e Argentina servem de exemplos para o mundo. Graziano disse ainda que pretende estimular a as troca comerciais, de informações e de produtos entre países do hemisfério sul, estratégia diplomática já usada pelo Itamaraty durante o governo Lula.

 

Crise. Agrônomo e ministro de Segurança Alimentar e Combate à Fome entre 2003 e 2004, Graziano é o primeiro latino-americano a comandar a FAO. O cenário, porém, não é animador. Graziano toma o poder sobre uma organização em crise. Países ricos bloquearam uma elevação do orçamento da entidade e documentos internos mostram que as suspeitas de fraude explodiram. / Com informações de Andrei Netto, correspondente de O Estado de S.Paulo

 

 

Mais conteúdo sobre:
FAOONUfomeGraziano

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.