No Chile, Lula fala de eleição e diz estar tranqüilo

No momento em que o PSDB se prepara para definir quem será seu candidato nas eleições presidenciais de outubro, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a falar sobre sua campanha à reeleição. Ao final da cerimônia de posse de Michelle Bachelet na Presidência do Chile, Lula afirmou que, de sua parte, a disputa eleitoral deste ano "não será acirrada". Ele se esquivou de responder aos jornalistas que o acompanhavam se preferiria o prefeito de São Paulo, José Serra, ou o governador do Estado, Geraldo Alckimin, como adversário. "Não tem eleição fácil. Mas eu estou tranqüilo", afirmou. "Eu não sou filiado ao PSDB. Portanto, eu não escolho o meu adversário. Não cabe a mim escolher. Quem vai escolher é o eleitor", completou, ao ser questionado sobre a decisão do partido tucano, que se anunciada, em princípio, na próxima terça-feira, 14.O presidente aproveitou uma pergunta sobre a campanha para se corrigir e retomar o discurso que tem feito nos últimos meses. "Eleição só vai preocupar a minha cabeça a partir de junho, se eu decidir ou não ser candidato", ressaltou, em uma indicação de que vai explorar o prazo limite definido pela Justiça Eleitoral.Bom humorLula fez as declarações em um ambiente conturbado, depois de receber o cumprimento de Bachelet. Com a saída da nova presidente do prédio do Congresso Nacional chileno, Chefes de Estado, autoridades e convidados se aglomeraram no corredor central do plenário, o que permitiu a abordagem dos jornalistas ao presidente brasileiro. A ausência de um sistema restrito de segurança no prédio facilitou a aproximação da imprensa. A reação mais amistosa de Lula confirmou que sua fase de bom humor, detectada desde o final de 2005, continua prevalecendo.Embora se mostrasse ansioso para deixar o prédio e repetisse que falaria com os jornalistas no hotel onde estava hospedado, Lula respondeu a várias questões. Apesar das insistências, o presidente não quis revelar quantos quilos perdeu com a dieta que vem seguindo há mais de dois meses - entre 12 e 14 quilos, segundo assessores. "Peso é um segredo. Eu não posso falar de peso nem como é que eu fiz (para perdê-lo)", declarou.Lula também comentou sobre a vantagem da experiência prática de seus três anos de mandato em comparação à formação acadêmica. "Passaram-se 39 meses", afirmou. "Foi um aprendizado tão extraordinário que não tem universidade nem 30 cursos de pós-graduação (que substitua)", acrescentou.

Agencia Estado,

11 de março de 2006 | 16h41

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.