Divulgação
Divulgação

No Ceará, 16 cidades têm atos pró-Lula

PT fez vigília até 1h na sede do partido, que governa o Estado

Lauriberto Braga, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

06 Abril 2018 | 17h11

O PT do Ceará fez vigília até 1h desta sexta-feira (6) na sede do partido, em Fortaleza, contra a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. As manifestações continuaram em 16 cidades cearenses: Caucaia, Crato, Juazeiro do Norte, Barbalha, Crateús, Maranguape, Maracanaú, Madalena, Iguatu, Nova Russas, Tamboril, Ipaporanga, Morrinhos, Sobral, Redenção e Fortaleza nesta sexta-feira. 

+++STJ nega habeas corpus de Lula

+++AO VIVO:  Acompanhe desdobramentos do pedido de prisão de Lula

O ato em Fortaleza foi na Praça da Gentilândia, onde os petistas defenderam a liberdade de Lula. Teve ainda manifestação de estudantes universitários que fecharam o cruzamento das avenidas da Universidade e 13 de Maio.

"Estou profundamente triste com esta notícia da determinação da prisão de Lula, o maior presidente que este país já teve. O presidente que tirou milhões de brasileiros da miséria e deu mais dignidade para as famílias pobres do nosso país, sobretudo do Nordeste, historicamente esquecido", disse o governador do Ceará, Camilo Santana (PT). "O momento dificílimo pelo qual passa o Brasil não será resolvido com demonstrações de intolerância, ódio e perseguição. A Lula, toda a minha solidariedade. Respeito e gratidão eternos."

O senador José Pimentel (PT) alegou que a prisão de Lula tem a intenção de excluí-lo do processo eleitoral de 2018.  "A história não perdoará o que se passa hoje no Brasil, cuja elite, por meio de um golpe midiático-parlamentar, com setores do Judiciário, derrubou uma presidenta eleita, sem que houvesse crime de responsabilidade", disse. "E agora, dando continuidade ao golpe, tenta impedir a candidatura de Lula à presidência da República. Resistiremos junto com as forças democráticas do Brasil até que a Justiça seja restabelecida. Porque Lula vale a luta."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.