Nacho Doce / Reuters
Nacho Doce / Reuters
Imagem Danilo Cersosimo
Colunista
Danilo Cersosimo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

No Brasil do desencanto, Lula é o nome mais aprovado

Desempenho do ex-presidente tem sido consistente há meses e não foi abalado nem mesmo com sua condenação e posterior encarceramento

Danilo Cersosimo, O Estado de S.Paulo

25 de maio de 2018 | 11h53

O ex-presidente Lula é a personalidade mais aprovada entre os nomes avaliados pelo Barômetro Político Estadão-Ipsos de maio*, com 45% de menções positivas (índice similar ao de antes do julgamento em janeiro deste ano). Em seguida, aparecem o juiz Sergio Moro (40%), o ex-Ministro do STF Joaquim Barbosa (37%), a ex-Ministra do Meio Ambiente e presidenciável Marina Silva (30%) e a Presidente do STF Carmen Lúcia (25%).

+ Reprovação de presidenciáveis fica estável, aponta Ipsos

Outros presidenciáveis aparecem em um segundo pelotão: Bolsonaro (23%), Alckmin (17%), Ciro (17%), Dória (14%) e FHC (13%).

Com 52% de desaprovação, Lula não consta nem entre os dez nomes com pior avaliação – ao contrário de outras personalidades que figuram ou figuraram como possíveis presidenciáveis, como Alckmin (69%), Ciro (65%), Dória (62%), Meirelles (61%), Haddad (61%) e Marina (61%). Tais patamares de desaprovação ilustram o grau de insatisfação geral com o sistema, os partidos e os políticos, num cenário onde o eleitor irá às urnas tomado por um sentimento geral de revolta, desencanto e resignação com as opções que aí estão. O aumento do absenteísmo e do número de votos brancos e nulos é uma realidade bem plausível.

O bom desempenho de Lula no Barômetro Político Estadão-Ipsos tem sido consistente há meses e não foi abalado nem mesmo com sua condenação e posterior encarceramento. Este fenômeno reflete não somente a força de sua imagem, mas também o vácuo de lideranças dentro e fora do PT.

De um lado, parte dos simpatizantes de Lula minimizam seu envolvimento em casos de corrupção; de outro, a população que rejeita o ex-presidente não encontrou ninguém entre os possíveis presidenciáveis que encarne o espírito dessa insatisfação generalizada e do sentimento de abandono que toma conta do brasileiro. Preocupante para os pretendentes ao posto de líder da nação e uma lástima para nossa fragilizada democracia que se viu incapaz de fomentar o necessário debate sobre os rumos deste país. 

O Brasil de 2018 apresentou o contexto perfeito para o surgimento de um outsider, mas Barbosa (que detinha um considerável potencial eleitoral) desistiu da candidatura, o efeito Dória durou pouco na prefeitura de São Paulo e Jair Bolsonaro encontrará dificuldades para aglutinar apoio entre as camadas mais pobres da população (ainda que seu eleitorado derivado de parte da classe média desencantada com o sistema seja suficiente para levá-lo ao 2º turno).

+Bolsonaro: ‘Bloqueio de estradas não tem meu apoio’

Se o sentimento do brasileiro é de mudança, a realidade tende a ser bem diferente. Os velhos partidos, mesmo sob novas siglas, não representam novas direções. PSDB e (P)MDB certamente farão muitos governadores e deverão manter sua posição de destaque no Legislativo, mas seus presidenciáveis encarnam a velha política e precisarão seduzir o eleitorado no corpo-a-corpo eleitoral feito a cada 4 anos para mostrarem que não são mais do mesmo.

O desencanto com os rumos do país e a falta de confiança nas instituições turbinam a carência por lideranças que verdadeiramente entendam os problemas do povo. Nomes como Ciro e Marina precisarão conquistar o eleitorado lulista se quiserem disputar o 2º turno contra Jair Bolsonaro, uma perspectiva até aqui distante para Geraldo Alckmin.

*Pesquisa realizada entre os dias 1 e 16 de maio de 2018, através de uma amostra nacional representativa de 1200 entrevistas domiciliares conduzidas por meio de questionário estruturado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.