Nacho Doce / Reuters
Nacho Doce / Reuters

No Brasil do desencanto, Lula é o nome mais aprovado

Desempenho do ex-presidente tem sido consistente há meses e não foi abalado nem mesmo com sua condenação e posterior encarceramento

Danilo Cersosimo, O Estado de S.Paulo

25 Maio 2018 | 11h53

O ex-presidente Lula é a personalidade mais aprovada entre os nomes avaliados pelo Barômetro Político Estadão-Ipsos de maio*, com 45% de menções positivas (índice similar ao de antes do julgamento em janeiro deste ano). Em seguida, aparecem o juiz Sergio Moro (40%), o ex-Ministro do STF Joaquim Barbosa (37%), a ex-Ministra do Meio Ambiente e presidenciável Marina Silva (30%) e a Presidente do STF Carmen Lúcia (25%).

+ Reprovação de presidenciáveis fica estável, aponta Ipsos

Outros presidenciáveis aparecem em um segundo pelotão: Bolsonaro (23%), Alckmin (17%), Ciro (17%), Dória (14%) e FHC (13%).

Com 52% de desaprovação, Lula não consta nem entre os dez nomes com pior avaliação – ao contrário de outras personalidades que figuram ou figuraram como possíveis presidenciáveis, como Alckmin (69%), Ciro (65%), Dória (62%), Meirelles (61%), Haddad (61%) e Marina (61%). Tais patamares de desaprovação ilustram o grau de insatisfação geral com o sistema, os partidos e os políticos, num cenário onde o eleitor irá às urnas tomado por um sentimento geral de revolta, desencanto e resignação com as opções que aí estão. O aumento do absenteísmo e do número de votos brancos e nulos é uma realidade bem plausível.

O bom desempenho de Lula no Barômetro Político Estadão-Ipsos tem sido consistente há meses e não foi abalado nem mesmo com sua condenação e posterior encarceramento. Este fenômeno reflete não somente a força de sua imagem, mas também o vácuo de lideranças dentro e fora do PT.

De um lado, parte dos simpatizantes de Lula minimizam seu envolvimento em casos de corrupção; de outro, a população que rejeita o ex-presidente não encontrou ninguém entre os possíveis presidenciáveis que encarne o espírito dessa insatisfação generalizada e do sentimento de abandono que toma conta do brasileiro. Preocupante para os pretendentes ao posto de líder da nação e uma lástima para nossa fragilizada democracia que se viu incapaz de fomentar o necessário debate sobre os rumos deste país. 

O Brasil de 2018 apresentou o contexto perfeito para o surgimento de um outsider, mas Barbosa (que detinha um considerável potencial eleitoral) desistiu da candidatura, o efeito Dória durou pouco na prefeitura de São Paulo e Jair Bolsonaro encontrará dificuldades para aglutinar apoio entre as camadas mais pobres da população (ainda que seu eleitorado derivado de parte da classe média desencantada com o sistema seja suficiente para levá-lo ao 2º turno).

+Bolsonaro: ‘Bloqueio de estradas não tem meu apoio’

Se o sentimento do brasileiro é de mudança, a realidade tende a ser bem diferente. Os velhos partidos, mesmo sob novas siglas, não representam novas direções. PSDB e (P)MDB certamente farão muitos governadores e deverão manter sua posição de destaque no Legislativo, mas seus presidenciáveis encarnam a velha política e precisarão seduzir o eleitorado no corpo-a-corpo eleitoral feito a cada 4 anos para mostrarem que não são mais do mesmo.

O desencanto com os rumos do país e a falta de confiança nas instituições turbinam a carência por lideranças que verdadeiramente entendam os problemas do povo. Nomes como Ciro e Marina precisarão conquistar o eleitorado lulista se quiserem disputar o 2º turno contra Jair Bolsonaro, uma perspectiva até aqui distante para Geraldo Alckmin.

*Pesquisa realizada entre os dias 1 e 16 de maio de 2018, através de uma amostra nacional representativa de 1200 entrevistas domiciliares conduzidas por meio de questionário estruturado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.