No Amapá, Assembleia protocola pedido de impeachment do governador

Candidato à reeleição, Pedro Paulo Dias (PP) cumpre prisão temporária na PF, em Brasília

Alcinéa Cavalcante, especial para O Estado de S.Paulo,

14 de setembro de 2010 | 11h55

Macapá (AP) - O deputado e candidato a governador do Amapá Camilo Capiberibe e os deputados Ruy Smith e Joel Banha, da coligação PSB-PT, protocolaram na manhã desta terça-feira, 14, na Assembleia Legislativa um pedido de impeachment do governador e candidato à reeleição Pedro Paulo Dias (PP), que cumpre prisão temporária na Polícia Federal em Brasília. Pedro Paulo e mais 17 pessoas foram presas sexta-feira, 10, na Operação Mãos Limpas.

 

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Jorge Amanajás (PSDB), acaba de acatar o pedido de impeachment do governador Pedro Paulo Dias. Ele disse que tomou a decisão porque é sua função como presidente da Assembleia, mas acredita que não haverá tempo hábil para que o processo seja concluído.

 

Cabe ao presidente da Assembleia Legislativa, Jorge Amanajás (PSDB), também candidato ao governo, decidir quando o requerimento de pedido de impeachment entrará em pauta. Capiberibe, Smith e Banha querem que ainda na sessão de hoje o pedido entre em pauta em regime de urgência. Depois de votado pelo plenário, uma comissão será formada para decidir se aceita ou não as denúncias. Há todo um trâmite a ser cumprido, o que poderá impossibilitar que o impeachment seja votado antes das eleições de 3 de outubro.

 

A Assembleia realiza apenas uma sessão por semana neste período eleitoral. Os três deputados autores do pedido de impeachment do governador vão tentar aprovar requerimentos pedindo sessões extraordinárias.

 

A prisão temporária do governador Pedro Paulo Dias encerra hoje e poderá ser prorrogada ou não. O coordenador da campanha e candidato a vice na chapa de Pedro Paulo, Alberto Góes, disse que se a prisão for prorrogada, os advogados entrarão com pedido de Habeas Corpus. Desde sexta-feira, o programa do governador Pedro Paulo Dias está sendo repetido no horário eleitoral gratuito. "Amanhã, quarta-feira, teremos programa novo", disse Alberto Góes. Caso Pedro Paulo ganhe liberdade, amanhã cedo grava para o programa eleitoral. Caso contrário, quem gravará é Alberto Góes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.