No Acre, Alckmin critica agressores de Serra

O governador eleito de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), visitou o Acre hoje para pedir votos ao candidato tucano à Presidência, José Serra. Em entrevista, Alckmin criticou a ação de cabos eleitorais do PT que teriam agredido Serra na tarde de ontem no Rio de Janeiro, quando o candidato participava de uma caminhada.

NAYANNE SANTANA, Agência Estado

21 de outubro de 2010 | 20h55

"O fato é que as pessoas do PT foram lá para fazer provocação e agressão. Aliás, isso não é a primeira vez que isso acontece. Quero dizer que o presidente Lula extrapolou agora, porque ele comete uma injustiça com Serra que foi vítima de uma agressão." O governador prosseguiu afirmando que o presidente Lula "estimula o mau exemplo e incita a violência" e "zomba da lei, pois o debate tem que ficar no campo das ideias".

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegou a usar os termos "mentira descarada" para classificar o ocorrido. Para Lula, o episódio "deixou o dia de ontem marcado como o dia da farsa, o dia da mentira".

A estratégia do partido ao enviar Alckmin ao Acre é fazer com que Serra mantenha os 52,12% votos que conquistou no Estado nas eleições de primeiro turno. Ao desembarcar no Aeroporto de Rio Branco o governador de São Paulo estava acompanhado pela filha e foi recebido por lideranças da coligação "Liberdade e Produzir para Empregar", como o presidente da Executiva do PSDB no Estado, Tião Bocalom, e pelo senador eleito Sérgio Oliveira, o Petecão (PMN).

Em seguida, Alckmin saiu em carreta até o comitê do PSDB. Depois, participou ainda de uma caminhada pelo calçadão no centro da capital acreana.

Pesquisas

Para Alckmin, pesquisas eleitorais válidas "são as urnas" no dia da eleição. "Essa é que vale. Tem pesquisas de intenção de voto, mas o que vale mesmo é o dia 31 de outubro. A margem de erro é muito alta. E até mesmo no caso do Acre em que as últimas pesquisas davam 10%, 12% e 13% de diferença, mas não tinha diferença nenhuma", ressaltou.

O governado de São Paulo comentou a vitória de Serra na "terra de Marina (Silva, presidenciável do PV)" e lembrou que quando foi candidato a Presidência da República, em 2006, também venceu Lula nas urnas acreanas no primeiro turno.

"Vejo que a votação do Serra, Bocalom, Petecão e de nossos parlamentares mostram um sentimento que a gente percebe nessa carreata do aeroporto até o PSDB. A gente percebe uma grande receptividade. Queremos é a oportunidade de trabalhar com ética, trabalhar com espírito público e temos grande respeito pela senadora Marina Silva", declarou. Para Alckmin, a campanha de Marina é digna de reconhecimento e respeito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.