'Ninguém quer a condenação da ministra Dilma', diz Guerra

Para presidente do PSDB, 'tudo precisa ser feito com naturalidade e bom senso' na CPI dos Cartões

Cida Fontes, de O Estado de S. Paulo,

01 de abril de 2008 | 13h03

O presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), deu nesta terça-feira, 1º, o tom que os tucanos pretendem adotar na CPMI dos Cartões Corporativos. "O que sustenta a CPI é a necessidade de esclarecimentos, e tudo precisa ser feito com naturalidade e bom senso. Não vamos apoiar quem deseja esconder os fatos, e ninguém quer a condenação da ministra Dilma Rousseff", disse. A atuação mais objetiva e sem estardalhaço do PSDB foi decidida pela cúpula partidária durante reunião de avaliação, nesta terça, no Congresso, com participação dos integrantes da Executiva Nacional. Embora o foco do partido seja o esclarecimento, Guerra disse que os tucanos estarão em alerta para adotar medidas alternativas.  Uma dessas alternativas pode ser uma CPI exclusivamente no Senado - onde a maioria governista é apertada - para impedir que as denúncias de irregularidades no uso do cartão corportativo deixem de ser apuradas. A CPI em andamento é mista (integrada por deputados e senadores).

Tudo o que sabemos sobre:
CPI dos CartõesDilma Rousseff

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.