'Ninguém pode impedir Doria de disputar a Presidência', diz Temer

Presidente faz elogios ao prefeito de São Paulo após visita de tucano ao peemedebista por empréstimo de R$ 1 bi para asfaltar a Capital

Elizabeth Lopes, O Estado de S.Paulo

20 de outubro de 2017 | 12h25

O presidente Michel Temer teceu elogios ao prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), classificando-o de "extraordinário" e dizendo que ele "é uma figura muito adequada ao Executivo" e que "ninguém pode impedi-lo eventualmente de ser candidato", numa referência à sua sucessão presidencial. As declarações foram dadas em entrevista publicada nesta sexta-feira, 20, ao site Poder 360, do jornalista Fernando Rodrigues. Temer vai receber o prefeito na próxima terça-feira, 24. Doria vai pedir ajuda ao peemedebista para manter promessa de não reajustar a tarifa de transporte público.

O prefeito de São Paulo e o presidente conversaram nesta semana por cerca de duas horas em jantar na noite desta terça-feira, 17, em Brasília. Segundo o tucano, o presidente indicou que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai liberar um empréstimo de R$ 1 bilhão para um programa de reasfaltamento das ruas de São Paulo. Segundo Doria, o recurso deve ser liberado até o fim deste ano e a expectativa é de que as obras comecem no início de 2018.

+++ Governo corteja Doria e libera recursos para SP

Na entrevista ao site, apesar do elogio ao prefeito, Temer tergiversou ao falar das eleições presidenciais 2018, alegando que ainda é cedo para saber como será o cenário sucessório.

A respeito do outro postulante ao posto de cabeça de chapa do PSDB nas eleições presidenciais do ano que vem, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, o presidente da República foi mais comedido. "Não tenho nenhuma queixa sobre o governador Alckmin."

Indagado a respeito do presidenciável Jair Bolsonaro (PSC-RJ), Temer disse que o povo é quem deve fazer juízo de valor. "O povo é quem vai dizer quem deve ocupar o poder", frisou.

Na entrevista, concedida na quinta-feira, 19, em seu gabinete no Palácio do Planalto, Temer reiterou que pretende modificar a portaria que alterou a definição do que pode ser enquadrado como trabalho escravo. E disse que irá incorporar sugestões feitas pela nova procuradora-geral da República, Raquel Dodge.

O presidente afirmou também que pretende retomar as discussões da reforma da Previdência, entre os temas que devem ser voltar à pauta do Congresso na semana que vem após superada a votação da denúncia na Câmara dos Deputados. Ele considerou que a aprovação ao menos de três pontos - o estabelecimento de uma idade mínima, as regras de transição e o corte de privilégios - já seria uma "boa reforma" neste momento. "Seria um grande passo", afirmou.

Ele ressalvou que, apesar de considerar como 'ideal' que a reforma seja aprovada este ano, será necessário consultar as bancadas novamente. "Na primeira vez estava tudo ajustado para aprovar, não fosse uma certa irresponsabilidade denunciativa", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.