"Ninguém é obrigado a ficar com ninguém"

A secretária Zilda Barreto, de 40 anos, é um retrato da mudança no perfil do casamento entre os brasileiros e brasileiras. Ela foi casada por 14 anos, e se separou há 5, quando descobriu uma traição do marido. ?Ele conheceu outra pessoa e se apaixonou?, disse Ao longo do tempo, diz Zilda, o casamento foi desgastado por questões financeiras e pelo nascimento dos três filhos.Nesse caso, ela admite parte da culpa. ?A mulher é que nem bicho, só quer saber de proteger a cria. É muito fácil dar toda a atenção aos filhos e deixar o marido de lado.? Hoje, amiga do ex-marido, Zilda vê a separação com naturalidade. ?Ninguém é obrigado a ficar com ninguém.?Para manter o relacionamento, é essencial conciliar atividades, diz o comerciante Wilson Dantas de Araújo, de 49 anos. Ele fala com a experiência de quem passou por dois casamentos: um de 12 anos e outro de 10. ?Normalmente você vai a uma festa e ficam homens num canto e mulheres noutro. É preciso criar atividades que possam ser compartilhadas.?A carreira da mulherAraújo acha que seus dois casamentos acabaram por causa da carreira das mulheres. Diz que a primeira começou a disputar espaço com ele quando cresceu profissionalmente e a segunda se distanciou, dando prioridade à carreira. ?Com o tempo, ou a mulher cresce profissionalmente ? e começa a ter conflitos de relacionamento ? ou fica muito caseira e o homem arruma uma amante. O ideal é buscar um equilíbrio entre vida pessoal e profissional.?LEIA MAISBrasileiro troca o casamento pela união informalUm quatro dos bebês brasileiros ficam sem registroViolência matou 109 mil brasileiros em 2002"Não tenho mais medo de morrer", diz mãe que perdeu a filha assassinada

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.