Nilmário reafirma envolvimento de empresário em chacina

O secretário de Direitos Humanos, Nilmário Miranda, disse, na manhã desta quinta-feira, na CPI da Terra, no Senado, não haver dúvidas do envolvimento do empresário Adriano Chafik, no assassinato de cinco sem-terra, no último sábado, no município de Felisburgo, em Minas Gerais. Segundo ele, Chafik já havia feito várias ameaças aos sem-terra, mesmo depois de a Justiça ter negado a ele o direito de reintegração da posse de sua fazenda, onde os trabalhadores do MST estavam assentados. Nilmário defende uma punição exemplar para este caso "premeditado e de uma selvageria sem tamanho". O depoimento do secretário na CPI da Terra demorou a ter início, porque os deputados aliados ao governo tentaram obstruir a sessão, a fim de convencer o presidente da Comissão, senador Álvaro Dias (PSDB-PR), a anular a audiência pública em que foram quebrados os sigilos bancários e fiscais de duas entidades ligadas ao MST: a Confederação Brasileira das Cooperativas de Reforma Agrária (Concrab) e a Associação Nacional de Cooperação Agrícola (Anca). O MST tentou impedir a quebra dos sigilos no Supremo Tribunal Federal. No caso da Concrab o pedido foi rejeitado pelo ministro do STJ, Gilmar Mendes. Já no caso da Anca, o pedido ainda sendo examinado pelo ministro Joaquim Barbosa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.