Nilmário Miranda cobra maior proteção a testemunhas

O secretário especial dos Direitos Humanos, Nilmário Miranda, disse nesta segunda-feira que o governo federal vai ficar mais atento e cobrar mais empenho dos Estados na proteção de testemunhas para evitar casos como o assassinato de duas pessoas que prestaram depoimentos à relatora da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre Execuções Extrajudiciais, Sumárias eArbitrárias, Asma Jahangir, em sua visita ao País no mês passado.Nilmário Miranda esteve com o relator especial daComissão de Direitos Humanos das Nações Unidas para o Tráfico de Crianças, Prostituição e Pornografia Infantis, Juan Miguel Petit, que visitará quatro Estados e o Distrito Federal até o dia 14.Ainda no rastro da polêmica provocada pela sugestão de Asma de que a ONU envie um relator para inspecionar o Judiciário brasileiro, Petit terá encontro nesta terça com o presidente doSupremo Tribunal Federal, ministro Maurício Corrêa. Foi Corrêa quem reagiu de forma mais contundente à proposta da relatora, argumentando que isso seria uma espécie de intervenção da ONU no Brasil. Petit deve encontrar-se também com o ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos, além de deputados, senadores, organizações não-governamentais e entidades ligadas ao combate àprostituição infantil.Tráfico - Miranda repassou a Petit estudo que aponta a existência de 241 rotas nacionais e internacionais de tráfico de mulheres e crianças no País. Além do Distrito Federal, o relatorvai a São Paulo, Rio, Pará e Bahia. Seu relatório sobre a situação brasileira será divulgado em abril.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.