Ney Suassuna ameaça renunciar à vice-liderança do governo

O senador Ney Suassuna (PMDB-PB) vai renunciar, ainda hoje, ao cargo de vice-líder do governo e está ameaçando votar contra a medida provisória que fixou o salário mínimo em R$ 260,00. Suassuna está irritado com a nomeação, pelo governador da Paraíba, Cássio Cunha Lima (PSDB), seu adversário político, dos três diretores do recém-criado Instituto Nacional do Semi-Árido. "Não tenho condições de ficar no cargo", disse o senador. "Estamos sendo desprestigiados todos os dias. O problema pior é o desprestígio".Suassuna vai reunir a bancada, logo mais, num almoço em sua residência, para que os senadores apontem os focos de insatisfação existentes entre eles, na véspera da votação da MP do mínimo. O senador disse que, se o governo colocar a MP do mínimo em votação amanhã, vai perder. Ele revelou os nomes de outros senadores peemedebistas que estariam descontentes com o tratamento recebido do governo federal. Citou Valmir Amaral (DF), Alberto Silva (PI) e José Maranhão (PB), este último relator do projeto que cria o Instituto Nacional do Semi-Árido. Além deles, o governo não consegiu, ainda, os votos dos senadores Pedro Simon (RS), Papaleo Paes (AP), Sérgio Cabral (RJ) e Mão Santa (PI).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.